Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Gostaria de saber a opinião dos colegas sobre essa prática e de igual forma,expor algumas informação obtidas através de experimentos realizados no solo do cerrado em M.G.

Exibições: 7635

Responder esta

Respostas a este tópico

Sou de Araripina PE Capital do gesso gostei de sua materia

abraços

Existem pesquisas sim que concluiram a real utilidade do gesso . Quando foi criado este tópico em 2010 ainda havia muito o misticismo que o gesso carregava os nutrientes para baixo  e desta forma a camada de 0-10 cm (que é onde 80% da nutrição da planta ocorre)   ficava carente dos nutrientes.

 O gesso é  sim no meu ponto de vista, uma excelente opção para o RS como para muitos outros estados. Ele alem de ser a fonte mais barata de Enxofre que temos , leva Cálcio em profundidade (óbviamente por ser um sulfato) e também diminui a saturação de alumínio ( importante saber que nao neutraliza a acidez).

 

Em outras palavras, o gesso diminui nossa dependência de chuva ( faz a raíz ir buscar a cerveja que esta no fim do freezer).

 O problema é que as pessoas acham que tem que por 5 ton de uma vez só , obviamente que seria o recomendado, entretanto nenhum produtor iria dispender tal capital pra colocar 5 toneladas. Assim, devemos como agrônomos ter o bom senso e começar a trabalhar com o gesso de forma gradual e começar a trasmitir a idéia da importância de se ter um perfil de solo. 

Existem pesquisas sim que concluiram a real utilidade do gesso . Quando foi criado este tópico em 2010 ainda havia muito o misticismo que o gesso carregava os nutrientes para baixo  e desta forma a camada de 0-10 cm (que é onde 80% da nutrição da planta ocorre)   ficava carente dos nutrientes.

 O gesso é  sim no meu ponto de vista, uma excelente opção para o RS como para muitos outros estados. Ele alem de ser a fonte mais barata de Enxofre que temos , leva Cálcio em profundidade (óbviamente por ser um sulfato) e também diminui a saturação de alumínio ( importante saber que nao neutraliza a acidez).

 

Em outras palavras, o gesso diminui nossa dependência de chuva ( faz a raíz ir buscar a cerveja que esta no fim do freezer).

 O problema é que as pessoas acham que tem que por 5 ton de uma vez só , obviamente que seria o recomendado, entretanto nenhum produtor iria dispender tal capital pra colocar 5 toneladas. Assim, devemos como agrônomos ter o bom senso e começar a trabalhar com o gesso de forma gradual e começar a trasmitir a idéia da importância de se ter um perfil de solo. 

Sou da capital do Gesso Araripina PE

Gostei muito  de seu material

abraço

Colegas, minha opinião, formada através de resultados de trabalhos científicos sobre aplicação do gesso agrícola se resume em alguns pontos cruciais, que são:

  • jamais é utilizado em substituição do calcário;
  • recomendado para correção do alumínio tóxico nas camadas subsuperficiais, e;
  • estimula o aprofundamento de raízes.

Existem algumas pesquisas recentes utilizando a super gessagem, com doses elevadíssimas e que não tem resultados científicos que comprovem a eficiência ou eficácia. No entanto, a super dosagem pode até fornecer alguns benefícios, porém temos que tomar muito cuidado com o que estamos fazendo, pois não é "benéfico" se pensarmos no uso eficiente de corretivos. Deixo claro aos colegas, que este é um ponto de vista. Abraços!

Muito bom Carlos! Exatamente o que tenho como concepção.

Carlos César da Silva Cabral disse:

Para a corrige o pH, não funciona. Com o fornecimento cálcio no solo, pode elevar a soma de base. Mas, em dose excessiva, pode ocorrer a perda magnésio e potássio por lixiviação, devido na sua composição ele tem enxofre (-), assim ele arrasta para uma zona que as raízes não consegue mais aproveita-los

faço de suas palavras as minhas, perfeito



Raul Lustosa disse:

O alumínio tem sido o principal fator associado, de modo negativo, ao crescimento radicular. Como os nossos solos apresentam uma acidez subsuperficial e não há muita eficácia na incorporação profunda do calcário, recomenda-se a aplicação do gesso agrícola que é um sal neutro e dissocia-se, quando em solução, em Ca2+ e SO4-2. Logo, não apresenta receptores de prótons, ou seja, não é capaz, a princípio, de neutralizar a acidez do solo, muito menos de elevar a CTC. considerado como um condicionador do solo, não um corretivo. Composto, basicamente, por sulfato de cálcio (CaSO4.2H2O), contendo, aproximadamente, 32,6% de CaO e 18,7% de S, sendo fonte, além de cálcio, de enxofre,o ânion, acompanhante sulfato (SO42-), imprime elevada mobilidade ao cálcio, permitindo que este nutriente chegue a camadas mais profundas do solo. Além disso, o sulfato, oriundo do gesso, se liga ao alumínio do solo, formando o sulfato de alumínio (AlSO4+), que é uma forma menos tóxica para as plantas, e por se tratar de um sal solúvel, sua penetração no perfil ocorre com as águas de percolação, atingir camadas mais profundas do solo e reduz em um tempo menor a saturação do alumínio, sobretudo quando associada à *maior dose de calcário, promovendo assim o aprofundamento das raízes, em conseqüência das melhorias subsuperficial do solo. Portanto a decisão da necessidade de aplicação de gesso só pode ser tomada com base nos resultados analíticos da camada de 20 a 50 cm.
*Quando não houver necessidade do uso do calcário para a camada superficial, pode-se aplicar apenas o gesso, decisão essa que deve ser revista todos os anos e com base na analise do solo da camada agricultável de 20 cm

Realmente é um tema muito interessante, e que tem despertado o interesse de muitos profissionais e isso é muito bom.

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço