Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Numa leitura em diagonal da lei pertinente, destaco o inciso IV do artigo 3º, seção I do capítulo II: [Compete ao CAR] “promover o planejamento ambiental e econômico do uso do solo e conservação ambiental no território nacional”.

Dentre todas as atribuições da lei, considero esta a mais adequada e condizente com o know-how do Engenheiro Agrônomo e que, duvido, possa ser atendida por qualquer outro profissional da Engenharia. Resta saber se o nosso currículo e a nossa experiência serão suficientes para dar conta do recado. O que proponho como debate (aqui entre os colegas) são as ferramentas de que dispomos para que nos preparemos devidamente antes (e em vez) de  simplesmente “mapear propriedades”. No estudo desse planejamento, julgo que seja muito importante cruzar informações (já disponíveis na rede sob a forma de shapefiles) como:

  1. Enquadramento da propriedade na média de Módulos Fiscais do Município;

  2. Verificar se, pelo tamanho, mão de obra e renda, pode ser considerada um minifúndio;

  3. Checar se as condições topográficas permitem sua utilização agrícola/pecuária;

  4. Registrar as fontes hídricas (nascentes de rios/córregos) e mapear as APPs;

  5. Tirar conclusões da capacidade de uso pelo mapa de solos [da Embrapa]; e

  6. Outros.

Em resumo, poderíamos nos adiantar e elaborar um roteiro didático, de uma propriedade (de tamanho pequeno que, imagino, deva ser a maioria) para nos servir de exemplo quando estivermos com a mão na massa.

O que o colega acha da idéia ?

Dê a sua contribuição para o debate.

Exibições: 226

Respostas a este tópico

Importantíssimo as ações destacadas pelo nosso colega José Luís!

Compreendo que a criação de um roteiro didático são ações preparativas que além de facilitar a execução das tarefas, são atitudes de profissionalismo e que melhoram a qualidade da prestação do serviço.

Como  participante  pela primeira vez em 2015, mas já  tendo participado de 5  treinamentos  do uso do SISCAR, tanto na EMATER PR  quanto nas  dependências  do IAP ( EM 07  DE MAIO 2014,,,3  dias após ser oficialmente a Lei  do CAR ), ainda  temos dúvidas  em meio a tantas opiniões  de  especialistas  , tirando os cartógrafos  e  pessoas  que só trabalham mapeamentos, pois  , segundo  um ex-Diretor  do IBAMA, me falou que muitos mapas  de acesso  e busca, não  estão atualizados.....e  agora...o que  dizer.......e pelo visto,,  sabendo que  nem  30%  do total  de propiredades  no PR  ainda nem se mexeram para fazer o CAR....é quase  certo  que irão prorrogar..a  exigência.Grato

RSS

© 2020   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço