Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Integração Lavoura-Pecuária

Informação

Integração Lavoura-Pecuária

O sistema de integração lavoura-pecuária é uma alternativa viável de ser implantada em fazendas com o propósito de recuperar áreas de pastagens degradadas, com um custo relativamente baixo e com aumento da produtividade da pecuária bovina.

Local: Porto Velho
Membros: 114
Última atividade: 25 Jan

Fórum de discussão

Este grupo ainda não possui nenhum tópico.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Integração Lavoura-Pecuária para adicionar comentários!

Comentário de Gilberto Fugimoto em 25 abril 2018 às 23:33

PARTICULARIDADES DOS SISTEMAS ILPF NOS BIOMAS BRASILEIROS

Curso Gratuito EAD SENAR

Matrícula até 02 de maio 2018

http://ead.senar.org.br/cursos/ilpf/

Comentário de Giuliano Acosta Alves em 6 abril 2016 às 10:41

Gostei do tema do grupo
Como minha primeira postagem (curioso, pois ainda sou estudante de agronomia), parabenizo por tratarem deste tema tão atual e pelo que noto as vezes mal "interpretado".

Na minha opinião ILPF, é uma prática extremamente rentável ao produtor.

O problema que noto ao menos em minha região é a grande resistência a novas tecnologias (pensamento antigo "meu avó fazia assim, meu pai fazia assim, e sempre deu certo, ILPF é bobagem"), e porque não ignorância.

Conheço alguns produtores que não fazem nem ILP quem dirá ILPF sob as mais diversas alegações.

Exemplos:

  • Aqui na propriedade só trabalhamos com pecuária não sabemos e não gostamos de lavoura.
  • Aqui na propriedade só trabalhamos com lavoura não sabemos e não gostamos de pecuária.
  • A ILP faz compactação no solo por parte da pecuária o que prejudica depois a lavoura.
  • A ILPF faz perder área de lavoura para árvores que só irei colher em 6 ou 8 anos.
  • O solo na propriedade é argiloso, quando está úmido o gado pisa e fica o buraco do casco no solo e depois ao passar a plantadeira ali a semente fica muito profunda e não fica coberta.
  • Pra fazer ILPF ou ILP vou ter muitas despesas (agronomo, tecnico, perda de area util, etc)
  • Etc

Tenho visto muitos produtores com essas alegações. Gostaria de saber se é algo relativo a minha região ou encontram esses mesmos argumentos em outras regiões?? E como fazem ou como fazer para convencer esses produtores que ILPF é algo bom??

Comentário de Eduardo B. Teixeira Mendes em 7 março 2015 às 3:02

Denise, em minha opinião o que impede são questões mais culturais. Principalmente uma resistência de muitos pecuaristas, de formação mais antiquada. Lembro de uma palestra do professor Moacir Corsi que ele destacava algumas características dos pecuaristas paulistas:

  • 60% fazem calagem, mas menos de 30% fazem análise de solo
  • A cana do pecuarista rende em média 30 ton/ha, sendo que a média paulista dos canavieiros é de 85 t/ha
  • Menos de 20% tem assistência técnica
  • O índice de lotação médio das pastagens é de 0,7 UA/ha

Entre outros pontos que ele destacava na palestra, com o intuito de mostrar que a maioria dos pecuaristas, ainda estão muito atrasados tecnologicamente.

Além disso, devemos lembrar que na visão de muitos criadores de gado "pasto não é lavoura é pasto". Assim, para realmente o ILPF avançar é necessária uma mudança cultural, pois necessita que o pecuarista resolva também ser agricultor e isso é muito difícil.

Comentário de paulo ricardo rickli em 25 fevereiro 2015 às 0:44

a compactacao do gado é bastante superficial a qual a plantadeira consegue fazer o rompimento, mesmo porq a estruturacao do solo integrado lavoura pecuaria tem o beneficio da reposicao biologica de microorganismos no solo com isso favorece a producao de humus e a  fertilidade e  estrutura do solo.

Comentário de paulo ricardo rickli em 25 fevereiro 2015 às 0:41

Comentário de Eduardo B. Teixeira Mendes em 24 fevereiro 2015 às 0:34

Denise, esse ponto que vc levantou é importante. Por isso é fundamental uma preparação prévia da área, com a eliminação da compactação pré-existente. Posteriormente com bom manejo este problema é minimizado. Eu me recordo de uma área experimental de manejo intensivo de pastagens existente na ESALQ. 

Eu não me recordo exatamente se é Nitossolo ou Latossolo Roxo, mas as pastagens instaladas lá tinham cerca mais de trinta anos sem problemas de compactação.

Lógico que com a integração esse problema aumenta, mas neste caso eu imagino que poderíamos pensar talvez em trabalhar ao invés do PD, com o Cultivo Mínimo na área, caso seja necessária uma mobilização mínima para eliminação de compactação.

Comentário de Eduardo B. Teixeira Mendes em 4 junho 2014 às 0:45

POR QUE AS DISCUSSÕES AQUI NO GRUPO SÃO TÃO EFÊMERAS?????

Comentário de Joaquim Alves da Costa Junior em 30 abril 2014 às 10:33

Comentário de paulo ricardo rickli em 8 janeiro 2013 às 11:57

uma alternativa para quem quer trabalhar com criação de gado bovino,

para quem não quer integração com gado tem a possibilidade do cutivo da canola no inverno pós soja antes de milho, muito interessante também

 

Comentário de Vitor Manuel Raposo Augusto em 1 setembro 2012 às 20:16

Boas, com agrado que vou tentar comentar aqui algumas experiências nesta área mas basicamente, a integração lavoura pasto, tem como objectivo aumentar a fertilidade , com rotações a base de plantas fixadoras de azoto e melhoramento do  complexo argilo/húmico, com o aumento custos da energia mundial este processo       tem muita importância econômica.

 

Membros (113)

 
 
 

© 2019   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço