Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Sistemas Agroflorestais e Silvipastoris

Informação

Sistemas Agroflorestais e Silvipastoris

SISTEMAS AGROFLORESTAIS SISTEMAS SILVIPASTORIS

Membros: 111
Última atividade: 17 Abr

Uma ótima iniciativa para incentivo à implantação de S A F' s

Sistemas agroflorestais terão metodologia para medir a capacidade de sequestrar CO2


Apesar dos evidentes efeitos negativos do aquecimento global sobre o clima, as ações para reverter o impacto das atividades humanas ainda não são praticadas em escala.

Neste momento, o reconhecimento de que a produção em sistemas agroflorestais é uma possibilidade econômica já consolidada , é preciso gerar mecanismos que deem visibilidade aos serviços socioambientais prestados pelos SAFs.

Este motivo levou técnicos de quatro entidades a buscar uma metodologia capaz de medir quanto CO2 é retido nestes sistemas, de modo que os agricultores possam receber de acordo com a capacidade de absorção de suas agroflorestas.

Em oficina realizada entre os dias 02 de 05 de fevereiro no Centro de Formação Pastoral em Dom Pedro de Alcântara, ficou definida uma metodologia baseada na medição das árvores e posterior cálculo de quanto CO2 o SAF é capaz de absorver. Na região de Torres, cerca de cem hectares de sistemas agroflorestais produzem frutas como a banana ecológica ao mesmo tempo em que recuperam fragmentos da Mata Atlântica. Tal conservação é fundamental para a qualidade de vida nas cidades litorâneas e em todo planeta.

No Litoral Norte do RS e Sul de SC, existem cerca de cem hectares de Sistemas Agroflorestais onde são produzidos alimentos - principalmente banana ecológica - ao mesmo tempo em que se conserva e recupera a Mata Atlântica, o que é fundamental para a qualidade vida nas cidades litorâneas.

A Oficina sobre Serviços Ambientais foi realizada no âmbito do projeto Agricultura Ecológica e Serviços Socioambientais, financiado pela cooperação internacional da agência holandesa ICCO e teve a assessoria do doutor Jorge Vivan, da UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina.


Entidades participantes:

Fundação para o Desenvolvimento Econômico e Rural da Região Centro Oeste do Paraná - Rureco

Centro de Treinamento Pecuarista - CTP - Paraná

Comité de Iglesias para Ayudas de Emergência - CIPAE

Centro Ecológico - RS
FONTE : www.centroecologico.org.br - IPÊ - RS.U

Fórum de discussão

Publicação aborda os 50 principais livros sobre sustentabilidade

Instituto Jatobás e a …Continuar

Iniciado por joão carlos flôres 19 Mar, 2012.

Agrissilvicultura de bananais com introdução de palmeira real

O projeto piloto de agrissilvicultura de bananais degradados com introdução de palmeira real temos em Ilha de Guaratiba, Rio de Janeiro.Muitos bananicultores invadem as áreas de Mata Atlantica com…Continuar

Iniciado por Ingo André Haberle 21 Nov, 2011.

Expriencias na associação entre citrus e teca 1 resposta 

Começar em setembro, com uma plantação de limões mexicano e estamos pensando no mesmo campo para estabelecer tecas. A idéia é ter cerca de 330 plantas cada espécies. Alguém tem alguma experiência que…Continuar

Iniciado por JOSE INES BAZAN-MOTA. Última resposta de joão carlos flôres 26 Set, 2011.

SAF's e Integração lavoura pecuária no CULTIVO ORGÂNICO 1 resposta 

Olá pessoal,Para sistema orgânico, a diversidade em oposição á monocultura, reduz em grande parte o ataque de pragas e doenças. em contra partida, sombreamento pode comprometer desenvolvimento de…Continuar

Tags: pragas, e, doenças, de, controle

Iniciado por Jackson Majewski. Última resposta de joão carlos flôres 14 Maio, 2011.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Sistemas Agroflorestais e Silvipastoris para adicionar comentários!

Comentário de Ingo André Haberle em 27 agosto 2014 às 18:43

A seca em grandes proporções no Sudeste é a grande chance de projetos de agrissilvicultura, onde existem as soluções de reposição de nascentes,da  revegetação de áreas degradadas,etc

As cidades só destruindo  e consumindo, sem projetos de reflorestamentos em escala, sem visão do conjunto pelos administradores destes milhares de municipios levou ao quadro atual.

Comentário de paulo ricardo rickli em 31 outubro 2012 às 13:17

qto ao comentário do joão carlos flores ainda pode ser conplementdo com uma fertilização biológica com o objetivo de rstaurar a microflora do solo que tem uma função muito inpotane na recuperação da vida, da fertilidade e da estrutura do solo,conheça MICROGEO, http://www.microgeo.com.br/

Comentário de Tarcila Leal em 24 fevereiro 2012 às 17:11
Comentário de Rômulo dos Anjos Cardoso em 21 novembro 2011 às 15:51

Sou estudante de agronomia da Universidade do sul de Santa Catarina - UNISUL, e há algum tempo já havia ouvido falar dos SAF'S, porém não tinha maior conhecimento sobre a técnica. Semana passada, em visita a cidade de Barra do Turvo -SP, tive a oportunidade de aprender esta técnica e fiquei muito entusiasmado com ela, pois pode ser uma alternativa para a nossa região. Espero aqui neste grupo aprender mais e, dentro do possível, contribuir com este tema.

Comentário de MOACIR JOSÉ SALES MEDRADO em 15 dezembro 2010 às 10:51

Sistemas Silvipastoris: Aspectos da Pesquisa com Eucalipto e Grevílea nas Regiões Sul e Sudeste do Brasil

http://www.cnpf.embrapa.br/publica/seriedoc/edicoes/Doc191.pdf

Comentário de Rodrigo da Silva Oliveira em 2 dezembro 2010 às 18:25
Olá colegas,

sou estudante de agronomia da Universidade Federal do Amazonas em manaus - AM. E desde de que tive os primeiros contatos com esse sistemas de produção, vi grandes possibilidades de se trabalhar com o SAF'S na região, afinal de contas trabalhar com agricultura em regime de monocultivo é bem complicado devido as questões ambientais em que estamos inseridos. Por isso gostaria, se vocês pudessem, que me indicassem boas literaturas para que eu possa ficar mais interado do assunto.

Sem mais,

Rodrigo Oliveira.
Comentário de pedro augusto rücker em 24 setembro 2010 às 12:18
Entre os bons livros sobre SAF's sugiro leitura do livro Pomar ou floresta:princípios para manejo de agroecossistemas. Autor: Jorge Luiz VivanNeto
Comentário de Francis Alex Nunes em 23 setembro 2010 às 18:46
Muito obrigado João.
Comentário de joão carlos flôres em 23 setembro 2010 às 17:17
Caro colega Francis
Caros colegas agrônomos(as) e futuros agrônomos(as)
Em meus trabalhos de implantação de SAF's tenho usado como corretivo - calcario. Como adubação tenho usado : hipperfosfato natural reativo, termofosfato,farinha de ossos - todos como fontes de P. Como fonte de K - torta de mamona. E para melhorar as condições físicas e biológicas : esterco bovino, humus de minhoca ou algum composto.
Não vejo necessidade de adubações com adubos altamente solúveis - os adubos químicos. em minha visão não vejo necessidade e nem haveriam justificaficas técnicas - pois :
as necesidades das plantas num S A F , não são tão imediatas como nos monocultivos agrícolas ;
# Como se está instalando um dos Sistemas AUTOSUSTENTÁVEIS, as adubações só precisam acontecer num primeiro momento - o da implantação.
No decorrer do processo, a dinâmica das interações previsíveis, é que gerará a nutrição dos componentes do SAF. Exemplos : a formação da " serrapilheira " irá fornecer a nutrição vegetal. O crescimento mais rápido das espécies pioneiras e/ou algumas secundárias iniciais, irá proporcionar sombra e retenção de umidade para as demais. As fruteiras plantadas trarão beneficios como atração de fauna, retenção de umidade, sombreamento mais denso e os restos de frutas um formidável banco de sementes.
Entendo tbém que a diversidade de compomentes, tanto florestais como fruteiras é extremamente saúdavel ao Sistema e ao Ecosistema.
Saudações a todos.

joão carlos flôres
Comentário de Francis Alex Nunes em 23 setembro 2010 às 9:57
Caros colegas.
Gostaria de saber se para a implantação de um SAF é permitido o uso de correção do solo e adubação química.
Obrigado.
 
 
 

© 2017   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo