Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Informação

UFRA

Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA

 

 

É uma instituição pública federal de ensino superior com sede na cidade de Belém, Pará, Brasil, e campi nos municípios de Parauapebas e Capitão Poço, todos no Estado do Pará.


A UFRA têm forte vocação para área ligadas às Ciências Agrárias.

Histórico

A Universidade é sucessora de uma série de instituições: a Escola de Agronomia do Pará iniciou suas atividades em 1918 (nome alterado em 1919 para Escola de Agronomia e Veterinária do Pará), sucedida pela Escola de Agronomia da Amazônia (EAA), criada em 1945, mas que iniciou suas atividades em 1951, transformada em 1971 na Faculdade de Ciências Agrárias do Pará (FCAP). Em 2002, pela Lei no 10.611, foi criada a Universidade Federal Rural da Amazônia-UFRA, substituindo a anterior.

O Curso de Agronomia é o mais antigo dos cursos de Ciências Agrárias ministrados na Faculdade. Herdado da antiga Escola de Agronomia da Amazônia (EAA), o curso já era ministrado no Pará desde o início do século, mais precisamente em 1918, na antiga Escola de Agronomia do Pará, do Centro Propagador de Ciências, formado por ilustres do Pará de então. Àquela altura o Centro objetivava a educação profissional aplicada, mediante a difusão de conhecimentos científicos e práticos racionais, necessários à exploração econômica de propriedades agrícolas. Mais Tarde, em 1919, a escola recebeu a denominação de Escola de Agronomia e Veterinária do Pará, mas permaneceu apenas com o curso de Agronomia.

O Curso de Engenharia Florestal foi criado em 14.12.1971, pelo Decreto Nº 69.786, com reconhecido do curso através do Decreto Nº 80030, de 27 de julho de 1977.

O Curso de Medicina Veterinária da Universidade Federal Rural da Amazônia, foi criado em 16 de março de 1973, no que foi a antiga Escola de Agronomia da Amazônia, com o objetivo de formar técnicos para atender a pecuária regional. A autorização para funcionamento foi concedida através do Decreto nº. 72.217, de 11 de maio de 1973. Iniciou seu funcionamento a partir de 1974 com o preenchimento de 30 vagas, sendo reconhecido pelo ministério da educação através do Decreto nº. 82.537 de 1 de novembro de 1978.
Graduação

A UFRA oferce os seguintes cursos de graduação:

Agronomia
Engenharia Florestal
Medicina Veterinária
Zootecnia
Engenharia de Pesca
Engenharia Ambiental
Informática Agrária (Bacharelado)
Computação (Licenciatura)

Pós Graduação

A UFRA oferece no âmbito da pós-graduação:

Mestrado em Agronomia
Mestrado em Ciências Florestais
Mestrado em Botânica (em parceria com o Museu Paraense Emilio Goeldi/MPEG)
Mestrado e Saúde e Produção Animal na Amazônia
Mestrado em Aquicultura e Recursos Aquáticos Tropicais
Doutorado em Ciências Agrárias (em parceria com a Embrapa)
Doutorado em Medicina Veterinária

Infraestrutura universitária

A estrutura universitária conta com: 01 Biblioteca , 01 Hospital Veterinário, 01 Restaurante Universitário, Laboratórios, espaço para prática esportiva, e fazendas experimentais nos municípios paraenses de Igarapé Açu, Castanhal e Benfica.

Site: http://http://www.portal.ufra.edu.br/
Local: Belém, Paragominas, Castanhal, Igarapé Açu,
Membros: 44
Última atividade: 19 Out, 2017

CONSIDERAÇÕES SOBRE A GREVE NAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO

AÍ UMA OPINIÃO SOBRE A GREVE...

AH, MAS…
(CONSIDERAÇÕES SOBRE A GREVE NAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO)

Você já entrou no site do Andes-SN ou do Sinasefe Nacional e viu as pautas de reivindicação? Não? O que você viu? As matérias de jornal que dizem que o governo já apresentou duas propostas de "aumento"? Sinto muito em lhe dizer, mas o que você viu foram apenas meias verdades (se é que são meias... às vezes, são só 5% da verdade, ou nem isso). As pautas dessa greve vão além de salários, discutem vidas, a dos professores, dos técnicos e dos alunos, atuais e futuros, a passar pelas instituições federais. Discute-se o ingresso dos alunos, com estrutura para recebê-los e, não é por não mostrarem essas pautas na mídia, que elas não estão na negociação. Elas estão, mas o governo não quer negociar. As duas propostas do governo (que na verdade são a mesma coisa) representam uma tentativa de calar a boca dos servidores e manter tudo como está. Não houve negociação por parte do governo. Houve imposição: está é a proposta e é a última, dizem os ministros. Quem fez? quem elaborou? O governo, sem ouvir os servidores, sem olhar a realidade dos servidores, nem dos alunos, nem das instituições. Ah, mas o PROIFES assinou o acordo com o governo (o Proifes, na verdade, nem sindicato é. Sindicato é o ANDES e o Sinasefe. O Proifes, uma federação, foi criado pelo PT justamente para esses momentos, justamente para acabar com movimento trabalhista. Basta ver que as bases – Universidades ligadas a ele – em sua maioria, rejeitaram a proposta do governo e o Proifes, arbitrariamente, assinou assim mesmo). Ah, mas estamos em crise mundial. O governo está sendo responsável economicamente oferecendo reajustes, escalonados em 3 anos, com impacto de 4,8 bilhões no orçamento. Dilma acabou de perdoar 18 bilhões em dívidas das faculdades particulares e sabe por quê? Para lhe oferecer bolsas de ensino. Aí, aluno de graduação, eu lhe pergunto: e a pesquisa? Estas faculdades particulares não tem. E a Extensão? Também inexistem. Você terá, nessas faculdades particulares, uma formação pífia e manca. Quer discutir crise mundial? Explique-me esses 18 bilhões; explique-me 50% do orçamento para pagar Dívida Pública; ou os quase 80 bilhões que serão gastos na Copa; explique-me estádios, parques, velódromos (de milhões, bilhões) construídos para o Pan e demolidos para serem refeitos para a Copa e as Olimpíadas. Isto também está na mídia, você não viu? Cadê a prioridade nos gastos públicos?
Ah, mas tem professor "em férias" durante a greve? Claro que tem. Existem pessoas de todos os tipos, mas não crie uma regra que abarque 140 mil professores federais por dois que você conhece (e estão, por exemplo, no Chile, esquiando) e sabe que não estão fazendo nada em favor do movimento.
Ah, mas os alunos estão sem aula há 77 dias. Os alunos prestes a se formar não se formarão, senão com atraso de dois ou três meses. Você conta realmente sua vida em tão curto tempo? E o final do ano que vem? E daqui a dez anos? Vinte anos? E seus filhos e netos? Ah, mas professor só quer salário. Repito: antes de responder a este texto, pare de acreditar nessas matérias que circulam por aí, olhe a pauta de reivindicações e depois nós conversamos sobre salário, sobre estrutura, sobre melhora para você, aluno, e sobre o futuro que deixaremos em anos, não em dias ou meses, para o seu filho ou seu neto.
Se você faltou às aulas de História do Brasil, aqui vão algumas informações que você precisa ter: greves resolvem muita coisa. Se hoje o trabalhador brasileiro tem direito a férias, 13º salário, condições de trabalho, dentre outras conquistas (sim, conquistas, pois foram conseguidas com luta), grande parte disto se deu graças aos brasileiros do passado que fizeram greve e lutaram, às vezes, à rivelia dos próprios beneficiados, em favor do futuro.
Tenho ouvido alunos (com muitas exceções, por sorte) dizerem que os professores são uma “cambada”, “gentolha”, “corja”, dentre outros termos pejorativos usados inconsequente e indiscriminadamente. Você entrega sua formação nas mãos dessas pessoas e é isso que você pensa mesmo delas? Depois de anos de estudo, de especialidade, de formação que permite a cada docente ser autoridade no assunto que leciona, você acha que ele/ ela é isto mesmo? Se esta é a sua lógica, usarei um clichê e perguntarei: Diga-me com quem tu andas e eu te direi quem és! Ou ainda, pra te entender melhor, eu farei uma alteração no lugar-comum e direi: Diga-me o que tu lês (e tomara que leias) e eu te direi por que razão você pensa assim! Nessas horas, alguém sempre volta a falar em salário, que os professores só querem encher os bolsos de dinheiro, que a realidade do Brasil é outra, que tem gente vivendo com um salário mínimo, etc. Triste, triste isto. Se não lutarmos por nossos salários, nossas carreiras, quem o fará? Quanto a pessoas que ganham um salário mínimo, eu diria: Que pena. Bom seria (e há como!) se todos ganhassem mais. Não quero nivelar os ganhos, as conquistas dos trabalhadores, por baixo. Quero que o seja feito por cima, em efeito cascata, atingindo a todos em médio ou longo prazo. É possível, eu acredito, eu luto por isso.
Por fim, dia 31/08 é a apresentação da proposta de Orçamento. Ela pode (e é) mudada até ser votada pelos parlamentares, em dezembro. Mesmo depois, ainda há como alterar. Logo, concluimos que os “prazos do governo” são falaciosos.
Informe-se mais, leia mais, leia muito. Busque várias fontes, debata, discuta, ouça e, repito, leia. Com informação, com conhecimento, você deixa de ser refém e passa a ser agente de sua vida. Isto também é educação, da forma mais plena, responsável e com qualidade indiscutível.

BY: Sesar Pimentel

Fórum de discussão

Este grupo ainda não possui nenhum tópico.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de UFRA para adicionar comentários!

Comentário de Marina Jimenez Rivas em 6 junho 2012 às 1:42

para min e un pracer compatilhiar com Amigos da UFRA , antiga FCAP me forme no ano 1979, aos 21 anos e sinto muito orgulhio de ser Ing Agr faz 32 anos no meu pais Costa Rica

 

Membros (44)

 
 
 

© 2019   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço