Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Informação

Perícias e avaliações

Quem se interessar por questões relacionadas a avaliações de imóveis rurais, perícias no âmbito da agronomia, perícias ambientais, divisão, partilha e demarcação de imóveis rurais, venham fazer parte deste grupo. 

Membros: 150
Última atividade: 27 Abr

Curso de Perícias e avaliações de imóveis rurais

Olá, colegas engenheiros agrônomos,
Atenção para esta rara oportunidade. Será realizado, pela Associação dos Engenheiros Agrônomos de Araguaina, no período de 22 a 26 de outubro/2012, um curso de 40 horas-aula, sobre "PERÍCIAS E AVALIAÇÕES DE IMÓVEIS RURAIS", nos moldes preconizados pela NBR 14.653-3. O curso incluirá 8 horas de aula de campo, para vistoria de dois imóveis rurais e levantamenteo de dados internos e externos. Outras 8 horas de aula prática serão realizadas na sala de aula e dedicadas a tratamento dos dados levantados no campo, cálculo dos fatores de homogeneização dos atributos dos imóveis (terras, água, benfeitorias, dimensão, localização, forma geométrica, fator de posse, valor em marcha, etc.), para proceder à comparação entre os imóveis, de acordo com o "método comparativo de dados de mercado".
As outras 24 horas-aula serão dedicadas a temas relacionados à fundamentação técnica e elaboração do laudo e parecer, legislação e ética profissional, legislação agrária em geral, legislação específica que rege o objeto da perícia, normas técnicas e instruções normativas.  Também serão abordados os outros principais métodos de avaliação de imóveis rurais, danos causados às áreas remanescentes, em razão de desapropriação parcial, cálculos de lucros cessantes, atualização de valores passados e futuros, métodos de depreciação, etc.
Os interessados podem entrar em contato com o engenheiro agrônomo José Wilson: jwilce@bol.com.br ou (63)9987-1023.
Peço, por gentileza, que divulgue este cursos entre os seus amigos engenheiros agrônomos.   
SDS.
Eliezer

Fórum de discussão

Incêndio em área rural 4 respostas 

Prezados colegas, boa tarde!Estou com uma dúvida e talvez alguém possa me ajudar. Se uma pastagem pegar fogo e  esse fogo chegar até os confrontantes. Se não for possível determinar quem pôs fogo na…Continuar

Iniciado por João Cláudio Penteado Manente. Última resposta de Eduardo B. Teixeira Mendes 8 Jan, 2016.

Duvidas sobre pericias e avaliações judicias 12 respostas 

Gostaria de saber como funciona as pericias e avaliações  judicias,Se e preciso algum curso especial?Se a algum documento padrão?Quais os dados são indispensáveis? A remuneração e atrativa, como e…Continuar

Tags: avaliações, judicias, e, pericias, sobre

Iniciado por Igor Madruga de Oliveira. Última resposta de Orranes Gonçalves Fernandes 30 Set, 2015.

Custos de reposição de benfeitorias não produtivas, no contexto das avaliações de imóveis rurais 4 respostas 

A NBR 14.653-3 recomenda  que as benfeitorias não produtivas devem ter seus valores obtidos através de seus custos de reposição, isto é, deve-se apresentar um orçamento analítico sobre a benfeitoria…Continuar

Iniciado por nelson moreira de andrade. Última resposta de nelson moreira de andrade 20 Jul, 2013.

cerca de divisa 4 respostas 

olá, alguém poderia me dizer quanto a responsabilidade de manutenção de uma cerca de divisa entre 2 propriedades? Existe algum instrumento legal que discipline isto ou fica de comum acordo entre as…Continuar

Iniciado por Hemerson Fernandes Calgaro. Última resposta de Hemerson Fernandes Calgaro 27 Mar, 2012.

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de Perícias e avaliações para adicionar comentários!

Comentário de Eliezer Furtado de Carvalho em 17 novembro 2014 às 19:04

Mesmo assim, caro colega José Ferreira, a questão de expropriar (ou desapropriar) o todo ou somente a parte do imóvel diretamente usada com atividade ilícita continua sendo de natureza jurídica e não nos cabe questionar.

O nosso papel é somente caracterizar e avaliar as duas partes separadamente, sempre atentando para as disposições legais e as determinações que existem nos autos. Tais disposições podem incluir quesitos, decisões, abrangência eventualmente determinada pelo juiz para a perícia, acórdãos transitados em julgado sobre o caso, etc. 

Em resumo, o perito deve evitar discutir questões de direito entre as partes. Isso vale também para os assistentes técnicos das partes.

Abraço

 

Comentário de João Ferreira da Silva Junior em 17 novembro 2014 às 10:53

Dr. Eliezer o meu questionamento com relação a expropriação e não desapropriação, a primeira não cabe indenização e a segunda cabe indenização (ver art. 243 da CF/88), tem um caráter puramente punitivo, haja vista que é a utilização da área para fins ilícitos. O que eu não concordo, e que infelizmente a legislação não é clara quando fala em gleba, sem dimensionar que proporção, deixando vago para o entendimento jurisdicional. Qual a proporção da área a ser expropriada. Vou dar um exemplo, eu fiz uma perícia em uma área de 1.750 ha (aproximadamente) por conta de um plantio de maconha que não ultrapassava 1,5 ha, na extrema escondida da propriedade, plantio feito por terceiros. A sentença deu expropriada todo o imóvel com benfeitorias, ou seja perda total. Detalhe as benfeitorias existentes no imóvel em nada contribuíram para a ilicitude causada por terceiros. Isso, no meu entender é extremamente desproporcional. 

Comentário de Eliezer Furtado de Carvalho em 17 novembro 2014 às 8:22

Prezado José Ferreira,

No meu modo de ver, a maioria das desapropriações, senão todas, têm início em um decreto de interesse público. Por isso, no primeiro momento, envolve questão de natureza jurídica. Normalmente, desapropria-se somente o que é necessário para atender ao interesse do órgão público. A desapropriação de uma área além da necessária somente deve ocorre se a área remanescente ficar inviável para a sua atividade econômica. É nesse ponto que entra o perito, para analisar o caso e, se for o caso, esclarecer sobre a eventual inviabilidade do remanescente.    

Comentário de João Ferreira da Silva Junior em 17 novembro 2014 às 5:48

Doutores com relação a expropriação conforme o art. 243 da CF/88, qual tem sido o posicionamento técnico e jurisprudencial que tem sido adotado mais adotado recentemente. A maioria esmagadora dos plantios ocorre em pequenas glebas e sem o conhecimento do proprietário, uma expropriação de toda a propriedade é muita das vezes extremamente desproporcional. Gostaria de saber como o pessoal do sul tem encarado esta questão, haja vista que aqui no NE a expropriação se dá de forma total da área independente de que seja 0,2 ha numa propriedade de 200 ha.

Comentário de Gilberto Fugimoto em 4 novembro 2014 às 17:48

Prezados,

Preciso levantar orçamento para contratação (licitação) de Laudo de Avaliação de Imóvel Rural  de propriedade localizada no Centro Sul Fluminense, região do Vale do Paraíba - RJ.

A preferência de contratação será para PJ. Interessados, queiram entrar em contato.

abraços

Comentário de Gilberto Fugimoto em 22 agosto 2014 às 17:54

Ola André,

A empresa onde trabalho está contratando.

O processo licitatório está selecionando apenas PJ.

abraços

Comentário de Andre Cesar em 22 agosto 2014 às 14:05

Gilberto, boa tarde.

Uma curiosidade. Estamos quem ?

Administração direta contrata PF?

Abs.

Comentário de Gilberto Fugimoto em 18 agosto 2014 às 12:29

Prezados,

Estamos levantando orçamento para licitação Serviços de Georreferenciamento com Elaboração de Planta Planialtimétrica em topografia e Memorial Descritivo para área a ser gravada como RPPN em Petrópolis RJ.

A preferência de contratação será para PJ. Interessados, queiram entrar em contato.

abraços

Comentário de Eliezer Furtado de Carvalho em 25 junho 2014 às 16:45

Aos Caros Colegas Gilberto Fugimoto e Afrânio M. de Melo Franco,

Esclareço:

1) o livro mostrado está disponível para comercialização neste espaço do grupo "Perícias e Avaliações Rurais" ou pelo e-mail: eliezerfurtadodecarvalho@gmail.com;

2) já havia respondido ao colega Afrânio, sobre a disponibilidade do livro e forma de aquisição, porém, o fiz por via incorreta, já que o colega não recebeu a minha resposta;

3) o valor do livro é de R$ 150,00 + 30 de frete;

4) para adquirir o livro, basta depositar o valor de R$ 180,00 no Banco do Brasil, agência 1126-6, conta corrente 20865-5 e passar o comprovante de depósito, juntamente com o endereço, que o livro será enviado imediatamente.

5) Deixei de colocar os livros nas livrarias por duas razões: a) o preço fica 40% mais caro e b) as livrarias demoram para efetuar o pagamento.

Agradeço ao Gilberto, pela gentileza de divulgar o livro junto à Rede Agronomia e informo que tenho outro livro, também na 2ª edição, intitulado "Perícia agronômica: elementos básicos", 550pp, valor R$ 120,00 + 30 de frete.

Os livros estão à disposição para comercialização a todos os membros do grupo "Perícias e Avaliações Rurais", bem como a todos da Rede Agronomia e a todos os engenheiros agrônomos do Brasil.

É uma grande honra poder atende-los.

Grande abraço.     

3)    

Comentário de Afranio M. de Melo Franco em 25 junho 2014 às 4:56

Parece que o livro não está disponível comercialmente, procurei na editora mencionada pelo colega Eliezer e não obtive resultados, deixei um recado na sua página e não obtive resposta. Gostaria de reiterar ao colega Eliezer informações de como adquirir este livro.

 

Membros (150)

 
 
 

© 2018   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo