Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Simpósio Leguminosas Biblioteca

Biblioteca de Apresentações do Simpósio Ano Internacional de Leguminosas RJ, ocorrido em 12 e 13 de maio de 2016 no campus da UFRRJ em Campos dos Goytacazes, RJ

Apresentação de Avílio Antonio Franco

Apresentação de Benedito Fernandes de Souza Filho
Apresentação de Haroldo Cavalcante de Lima

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de José Leonel Rocha Lima em 30 maio 2016 às 14:51

Corrigindo informação no comentário da palestra do Botânico Haroldo Cavalcanti de Lima.

As leguminosas surgiram há 80 milhões de anos e não a 150 milhões como informado. Na escala de tempo geológico, o Cretáceo ou Cretácico é o período da era Mesozoica que está compreendido entre 145 milhões e 66 milhões de anos.

A região neotropical é a região biogeográfica que compreende a América Central, incluindo a parte sul do México e da península da Baixa California, o sul da Florida, todas as ilhas do Caribe e a América do Sul.

Apesar do seu nome, esta região biogeográfica inclui, não só regiões de clima tropical, mas também de climas temperado e de altitude. É uma região de grande biodiversidade, com ecossistemas tão diversos como a floresta amazónica, a floresta temperada valdiviana do Chile, a floresta subpolar magalhânica da Patagónia, o cerrado, a mata atlântica, o pantanal, os pampas e a caatinga.

Neotrópico  é um termo utilizado em biogeografía para identificar a região tropical do continente americano.

Comentário de José Leonel Rocha Lima em 28 maio 2016 às 15:41

Nosso colega Engenheiro Agrônomo é Doutor em Agronomia (área de concentração em Ciência do Solo) pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2001) e pesquisador A da Embrapa Agrobiologia. Tem experiência na área de Agroecologia principalmente nos temas da agricultura orgânica, adubação verde e cobertura viva do solo.

Sua palestra, a primeira do segundo dia do Simpósio, foi super abrangente. Apresentou as experiências dos sistema integrados de produção  agroecológicos, suas diversificação com a integração aninal-vegetal e logicamente com a fixação biológica de nitrogênio.

Nos quase 60 slides o colega Espíndola apresentou o conceito da adubação verde, as dificuldades, as formas de uso, as espécies, os arranjos de plantio, as produtividades e a quantidade de nitrogênio fixado biologicamente, o consórcio de leguminosas com as culturas, os cultivos em faixas, a utilização como cobertura morta e vivas permanentes em pomares, fechando com a produção de sementes e o banco comunitário. UMA VERDADEIRA INTRODUÇÃO AO UNIVERSO DA ADUBAÇÃO VERDE.

A AEARJ AGREDECE SUA DISPOSIÇÃO E CONTRIBUIÇÃO!!!

Comentário de joao joaquim avila de oliveira em 20 maio 2016 às 21:44

conteúdo de excelente qualidade das palestras de  Avilio;Haroldo e Benedito. Lógico que  as mesmas foram muito enriquecidas por inúmeras  e oportunas intervenções de um publico interessado. O calor  e emoção do simpósio  são insubstituíveis permitindo o crescimento no conhecimento de todos participantes. Entretanto muitos que não puderam comparecer esta  aqui  a oportunidade  de contato  com a matéria.  Fica aqui  registrado o esforço de toda comissão organizadora participantes  e parceiros e em especial de nosso colega Gilberto;claro que contando com  as intervenções de  nosso presidente Leonel.

Comentário de José Leonel Rocha Lima em 20 maio 2016 às 21:38

O Botânico Haroldo Cavalcanti de Lima foi procurado pela AEARJ para fazer uma palestra sobre a evolução e a diversidade das leguminosas.

Haroldo nos brindou com uma palestra maravilhosa com muitas informações e curiosidades, super ilustrada e gostosa de assistir.

Foi uma imersão no mundo das leguminosas com seus 730 gêneros e 19.400 espécies distribuídas

nas regiões tropicais, subtropicais e temperadas do planeta, sendo  amplamente utilizada na alimentação humana e animal. 

Pelo seu alto valor nutritivo as leguminosas (soja e feijões) tem uma elevada demanda no comércio mundial e são importantíssimas na segurança alimentar da humanidade.

Sua capacidade de fixar nitrogênio trás uma vantagem comparativa sem precedentes.

Sua origem na Ásia ocorreu a 150 milhões de anos no Neotrópico. A divisão dos continentes contribuíram para sua diversificação.

A AEARJ agradece muitíssimo a grande contribuição do amigo botânico ao Simpósio do Ano Internacional das Leguminosas.

Comentário de José Leonel Rocha Lima em 18 maio 2016 às 13:43

O nosso colega engenheiro agrônomo Benedito é o mais conhecido melhorista de feijão do Rio de Janeiro.

A produção de feijão no Estado do Rio de Janeiro  é realizada principalmente em pequenas propriedades, conduzidas nos moldes da agricultura familiar. Produção muito pequena (apenas 1% do consumo) em vista do grande consumo de feijão preto (320 mil toneladas/ano) pelos cariocas e fluminenses. A tradicional e famosa feijoada é de feijão preto

A produção de sementes de cultivares adaptadas ao Estado, a exemplo da conhecida BR1-Xodó, é realizada por  Benedito na própria Pesagro-Rio ou em parceria com produtores colaboradores.

A estratégia utilizada pela PESAGRO-RIO resulta na terceira maior produtividade média nacional de feijão, que se torna competitiva notadamente no plantio de inverno.

Comentário de José Leonel Rocha Lima em 17 maio 2016 às 22:51

O nosso colega engenheiro agrônomo Avílio A. Franco recebeu o Prêmio Johanna Dobereiner pela sua enorme contribuição na pesquisa da fixação biológica de nitrogênio nas áreas tropicais. Também pela sua grande convivência, aprendizado  e amizade com a pesquisadora Johanna no desenvolvimento da agricultura tropical brasileira.

A palestra é completa, desde sua origem, introdução e situação atual com dados e projeções. Estratégias e desafios também são abordados.

Ao final indica três pesquisadores do Embrapa Soja com seus e-mail.

Parabéns caro amigo e colega Conselheiro Diretor da AEARJ!

© 2017   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo