Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

A Rede Agronomia (http://agronomos.ning.com/) tem mais de 6.400 associados e, como no antigo Orkut, que tinha os seus grupos de interesse chamados de Comunidades, resolveu chamá-los simplesmente de Grupos. E tem vários. Um dos mais recentes chama-se Cadastro Ambiental Rural – CAR, que tem apenas 43 membros associados, cerca de 0,007% do total de inscritos na Rede. Para mostrar o interesse dos colegas no tema, ao visitar esse Grupo (CAR), dos 43 participantes, além de mim, apenas um já se manifestou, perguntando quanto deveríamos cobrar pelo cadastro. É muito pouco, para um assunto tão interessante ! Se não, vejamos.

Eu já fiz 4 cursos à distância – EAD, pelo computador: um de ArcGIS na UERJ, dois de medição de rios e qualidade da água pela ANA e este agora, de Capacitação para Preenchimento do CAR, pela UFLA/SFB/IBAMA, que foi o melhor de todos, pela qualidade do material didático. A imagem que ilustra este texto, faz parte do Micromundo Interativo Mata Atlântica. A animação (bem feita, com a água correndo e as folhas balançando ao vento), depois de um sobrevôo, nos conduz a um trecho da propriedade agrícola hipotética. Após algumas informações sobre a imagem, faz perguntas escritas relativas ao CAR, com 4 alternativas de respostas, para marcar apenas uma. Se acertar, aparece o ‘Parabéns, você acertou !’ (e vai pra próxima pergunta) mas, se errar, apenas aponta o item do capítulo do material em PDF divulgado antes, onde tem de ir buscar a resposta. Ou seja, ele te obriga a estudar.

Mesmo sem essa maravilha de recurso didático, qualquer pessoa escolarizada que baixe o Módulo de Cadastro no site oficial (www.car.gov.br) tem à sua disposição, gratuitamente, imagens de satélite de alta resolução (5 m) de qualquer Município do Brasil, e pode aprender bastante. Os arquivos de ajuda, com o Código Florestal e outras leis ambientais, são muito úteis e, se não substituem o curso de capacitação, dão os instrumentos para o seu preenchimento.

As ferramentas disponíveis na etapa Geo do CAR são tão fáceis de manejar como um rabisco numa folha de papel. Até o ícone para traçar os polígonos com os diversos tipos de áreas (citados no Código Florestal e que interessam ao cadastro) tem a forma de um lápis. Bem mais simples que os sofisticados programas de Geoprocessamento como o ArcGIS. Quando você traça na tela – em cima da imagem de satélite – o  trecho de um rio com até 10 m de largura, p.ex., logo após o desenho, o programa já mostra automaticamente para você as faixas marginais de 30 m exigidas pelo Código Florestal, calculando a sua área.

Eu imagino como seria bom se as Escolas de Agronomia tivessem uma disciplina chamada CAR ou Planejamento Rural Virtual e utilizassem esse programa do IBAMA como base. Todos nós Engenheiros Agrônomos, até mesmo por simples patriotismo, deveríamos nos interessar em aumentar os nossos conhecimentos e estratégias, para aumentar a produtividade agrícola e, de saldo, faturar umas horas de Consultoria.

Exibições: 1640

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 16 janeiro 2015 às 15:21

COMBINAÇÃO DO SERVIÇO

Um amigo Extensionista Rural nordestino postou no Facebook uma dúvida de agricultores sobre QUEM poderia ajuda-los a preencher o CAR. Como pertenci à 2a. turma do MMA para esta capacitação, transferi a pergunta à Secretaria do Curso, que prometeu entregar os resultados e os Certificados dos aprovados ainda neste mês de Janeiro. Responderam dizendo que essa divulgação está relacionada aos Certificados. Achei lógico e, como até agora nunca essa resposta foi dada, me apresso em divulga-la. Lamento apenas a falta de urgência na solução de um problema tão urgente. Tomara que não adiem, como aconteceu com a Lei dos Resíduos Sólidos. 

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 1 dezembro 2014 às 17:39

APRESENTAÇÃO DIDÁTICA DO CAR

(Feito pela Secretaria de Meio Ambiente de Belém-PA)

http://www.sema.pa.gov.br/download/Apresentacao_Didatica_do_CAR.pdf

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 20 novembro 2014 às 13:17

Acabei de ler no meu Face que estão abertas as inscrições para o novo Curso do CapCAR.

Leia aqui:

http://hotsite.mma.gov.br/capcar/

Bom proveito.

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 17 novembro 2014 às 17:29

ELEMENTOS DE FOTOINTERPRETAÇÃO

O material didático do Curso de Capacitação do Cadastro Ambiental Rural – CAR é excelente, mas peca por não abordar elementos básicos de uma das suas fases mais importantes – a etapa Geo – que trata das imagens de satélite. (*)

Além da vegetação nativa e da hidrografia, outras sete (7) características fazem parte da interpretação. Acompanhe cada uma, identificando-a na imagem.

1 – COR. Verde escuro é mata nativa, verde claro é pasto, vermelho é solo exposto e preto é sombra ou água de superfície. A cor branca está associada às áreas arenosas (que refletem a luz do sol), principalmente nas imagens em preto e branco. (**)

2 – FORMA. As formas irregulares e sinuosas indicam matas, lagos, rios, estradas; as quadradas e retangulares, telhados, talhões de plantio; as redondas, caixas d´água, pivô-central. A forma do polígono que delimita a propriedade (em vermelho) pode ser do tipo misto.

3 – TAMANHO. É função da escala do mapa e do tamanho relativo dos objetos mais próximos. A copa da árvore é do tamanho da casa da sede. A largura da estrada é um pouco maior do que o caminho que separa os 2 talhões que lhe são contíguos.

4 – PADRÃO. É o arranjo espacial dos objetos. Os cursos d´água têm um traçado sinuoso e parecem galhos secos de uma árvore (padrão dendrítico). Árvores em fileira podem ser quebra-ventos. Os talhões têm a forma de retângulos, separados por um caminho interno.

5 – TEXTURA. É o conjunto do arranjo e da variação de cores. As florestas têm textura rugosa (bem mais do que a da vegetação dos talhões) e os pastos (os campos e as superfícies líquidas) têm textura lisa.

6 – SOMBRA. São manchas, regulares ou não, de cor preta. Podem facilitar (tanques elevados, pontes, etc.) ou dificultar (nuvens) a identificação dos objetos. No caso, elas mostram que as árvores do extremo direito (fora da propriedade) são mais altas que as demais.

7 – ASSOCIAÇÃO. São as relações normais dos alvos com os objetos que estão próximos. Exs.: áreas irrigadas com fonte de água; aviões com aeroportos; barcos com marinas; açaizeiro com rios (na Amazônia). No caso, estrada com produção agrícola.

(*)http://web.viu.ca/corrin/FRST121/2011/7%20Elements%20of%20Photo%20Interpretation.pdf

(**)http://www.ufrrj.br/institutos/it/de/acidentes/sr3.htm

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 13 novembro 2014 às 7:07

MASSA CRÍTICA

Tivemos a adesão de 14 colegas ao Grupo CAR, um aumento de quase 25% em pouco mais de 3 dias. Acho que o pessoal que nunca teve contato com as Geotecnologias, ou os que não eram muito chegados às questões ambientais, estão se rendendo aos encantos do jogo de xadrez chamado CAR. Sejam bem vindos. Parabéns. O Brasil (e o meio ambiente) precisa imensamente da nossa contribuição.

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 12 novembro 2014 às 15:12

Barreira,

Me parece que as propriedades rurais com área total inferior a um Módulo Fiscal (A < 1MF), que são consideradas MINIFÚNDIO estão isentas do CAR, ou terão o cadastro feito por um órgão oficial, tipo INCRA, não precisando, portanto da nossa ajuda.

Comentário de José Barreira em 12 novembro 2014 às 12:13
Existe alguma propriedade rural que é dispensada de fazer o CAR? Alguém sabe dizer?
Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 12 novembro 2014 às 6:46

Suiane,

Se você está fazendo o curso do MMA, com o excelente material didático que disponibiliza e com o vídeo cujo link já mostrei, acho que não terá dificuldades maiores. Eu comparo a etapa Geo do CAR com: a) um quebra-cabeças de encaixar, cujas peças são as diferentes áreas da propriedade; b) com aquele passatempo de revista infantil, em que unindo pontos numerados, em sequência, resulta numa figura, que são as áreas citadas anteriormente; e c) com a apuração das notas de uma escola de samba, onde cada quesito é a porcentagem das áreas e suas relações com as exigências do Código Florestal. De resto é quase uma brincadeira de desenhar sobre a imagem de satélite da propriedade: pontos (nascentes), linhas (rios e estradas) e polígonos fechados (lagos, matas, RLs e demais áreas citadas na Legislação). Quanto à prática, ela é fundamental. E vamos em frente, que atrás vem gente.  

Comentário de suiane dos santos oliveira de so em 11 novembro 2014 às 15:47

Caro colega também estou fazendo este curso me familiarizando com o assunto porém ainda tenho dificuldades na etapa de georreferenciamento acho que falta de prática não sei.

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 11 novembro 2014 às 7:35

COBERTURA DO SOLO

Esse é o título do segundo de um dos cinco módulos do Cadastro Ambiental Rural – CAR.

No meu Facebook de hoje a amiga Shirley Sena publicou uma nota que, indiretamente, tem a ver com o CAR, e conosco, Engenheiros Agrônomos, guardiões da Natureza. Título: “Nova legislação pode prejudicar o ecossistema no Brasil, diz ‘Science’” (*).

Trata-se do Projeto de Lei n. 3.682/2012, que destina à MINERAÇÃO até 10% das terras consideradas UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, atualmente protegidas por lei. A Amazônia e a Mata Atlântica (o que restou dela no Estado Minas Gerais, principalmente) serão os maiores prejudicados.

(*)

http://planetasustentavel.abril.com.br/noticias/nova-legislacao-pode-prejudicar-ecossistema-brasil-diz-science-810655.shtml?utm_source=redesabril_psustentavel&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_psustentavel

© 2019   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço