Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

O Brasil, em números absolutos é o maior usuário de produtos fitossanitários, também conhecidos por agrotóxicos, do mundo. Apesar desta condição em muitos casos ser veiculada como um fator deletério é necessário que levemos em consideração dois fatores:

1.O tamanho da área agricultável é uma das maiores do mundo, apesar de percentualmente, usar menos de 7,5% do território nacional E temos muito espaço para crescimento.

2. Nosso clima tropical, que diferentemente de outros países importantes na produção agropecuária, permite que façamos várias safras agrícolas por anos. Mas essa característica permite também que pragas, doenças e plantas invasoras se multipliquem ao longo do ano, diferentemente de outros países, em especial os de clima temperado.

O maior problema da poluição causada por agrotóxicos, não é decorrente dos produtos em si, que muitos são quimicamente idênticos a medicamentos e cosméticos usados diariamente por milhões de pessoas. O grande problema está no uso incorreto e no descarte irregular de embalagens, por muitos produtores rurais.

É fundamental que neste dia de Combate a Poluição por Agrotóxicos, que destaquemos a necessidade de ações conjuntas entre o Poder Público, a Iniciativa Privada e a Sociedade Civil para garantir o uso adequado dos produtos, desde sua seleção até a destinação final das embalagens.

Sendo que um ponto é fundamental destacarmos, que no termo de recolhimento de embalagens vazias de Agrotóxicos, o Brasil é o campeão mundial de recolhimento, com a retirada de mais de 90% das embalagens do campo. Isso é quase o dobro do segundo colocado

Se sobre os produtos aplicados, como qualquer medicamento, devem ser usados na dose, período e forma adequada.

Se estas ações forem implementadas o problema da poluição por agrotóxicos será cada vez mais reduzido!

Por isso essa data deve ser lembrada por nós ENGENHEIROS AGRÔNOMOS!!!

Exibições: 143

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de Gilberto Fugimoto em 16 janeiro 2018 às 17:09

A palavra liderança, a utilizei como vício de linguagem e me penitencio por isso, explicando. 

Liderança é uma palavra imprópria especialmente para mim que fomento redes, que se articulam horizontalmente.

Liderança pressupõe organização hierárquica, o oposto de redes, a manutenção da velha visão de organização social e política: alguns líderes, alguns superiores a outros. Uma visão anacrônica em tempos de horizontalidade, redes, autonomia e co-participação.

Reformo minha proposta abaixo, propondo a substituição da palavra liderança por  representantes ou participantes da Agronomia. Colegas profissionais (e talvez estudantes) que estão imbuídos da responsabilidade com a valorização profissional e o fortalecimento da categoria.   

Comentário de Francisco Cezar Dias em 16 janeiro 2018 às 13:03

Lideranças, Gilberto. Onde?

Manoel, sua ideia é excelente. Só que trabalho no MT e minha janela para isto é quando as culturas estão instaladas. Ai dá para programar.

Gostaria de conhece-los pessoalmente.

Comentário de Gilberto Fugimoto em 15 janeiro 2018 às 14:52

Manoel,

Um encontro técnico-político ocorre bianualmente no CBA.

O Lira vem argumentando em promover encontro nacional de caráter político em Brasília. 

Para tanto precisamos de adesão das lideranças, definição de pauta e recursos para sua realização.

abraços

Comentário de Manoel José Sant´Anna em 15 janeiro 2018 às 12:26

Boa tarde colegas!. Que tal um Encontro da classe da Engenharia Agronômica, creio que precisamos de pelo menos um encontro físico durante o ano. Podemos talvez realizarmos inicialmente regionalmente, exemplo, nas Associações dos Eng. Arq. e Agrônomos de São José do Rio Preto. Creio que temos inúmeros profissionais na área, existe até uma Faculdade nesta cidade com capacitação para futuros colegas!. Depois podemos pensar em realizar uma a nível Brasil!. Dai já teremos bagagem para montar uma pauta a nível federal, onde abrangeremos nossa resposta as responsabilidades sobre o tema acima!.. 

Comentário de Francisco Cezar Dias em 13 janeiro 2018 às 14:05

Parabéns, Luis Carlos, seu otimismo me comove.

Comentário de Francisco Cezar Dias em 13 janeiro 2018 às 14:04

Faltou comentar que a mesma sujeirada que está por trás dos remédios também ocorre nos agrotóxicos.

Mas, tenho uma visão diferente do problema.

Sem governo, sem fiscalização e sem punição. Isto define a situação não só do agro mas de todo o país. Sobra hipocrisia.

Sendo mais específico, diria que sem a presença de Engenheiros Agrônomos acompanhando o processo produtivo e, pior, sem presença político-profissional de nossa categoria, posto que sequer nos reunimos para interesses comuns, nada se pode discutir.

Comentário de Manoel José Sant´Anna em 13 janeiro 2018 às 7:34

Bom dia colegas, sem duvida parâmetros de risco serão avaliados pelos certificadores!. Mas obedecer critérios impostos por outros interessados no mesmo mercado, será no mínimo tendencioso!. Temos sempre que lembrar que os poderosos, costumam manipular para conseguir seus objetivos, para auto favorecimento!. Será nossos produtos inferiores aos demais produzidos no mundo??!!. 

Comentário de Luiz Carlos Sayão Ferreira Lima em 12 janeiro 2018 às 18:17

Considero importantes as colocações feitas e acrescento a necessidade da implantação dos parâmetros de Avaliação de Risco quanto aos usos, com base no que já vem sendo feito, por exemplo, nos Estados Unidos.

Estudos estão em andamento para ajustar a regulamentação com base em cenários brasileiros. 

A participação conjunta entre Governo, Instituições de Pesquisa e o Setor Privado é importante para solução dessas questões. 

Comentário de Manoel José Sant´Anna em 12 janeiro 2018 às 14:49

Boa tarde colegas!. Sem dúvida o Dr Eduardo, atinge o coração do tema!. Não basta condenação apenas do mal uso dos defensivos!. Temos que melhorar o nível cultural dos envolvidos!. Perdoe-me se este texto abaixo é longo!.

O FUTURO DO AMBIENTE NA QUALIDADE DE VIDA, E NOS ALIMENTOS QUE VAMOS INGERIR.

A população hoje chamada de civilizada , divide-se em basicamente duas - a rural e a urbana

As duas populações, hoje estão envolvidas com temas ambientais, tanto de forma espontânea, como por suas obrigações legais:-

Os problemas mais graves são: com efluentes, com o uso da água, e com o uso e ocupação do solo. Essa Lei estipula que é obrigação do empreendedor, dos seus empregados, dos funcionários públicos, dos estudantes. Enfim de todos, em buscar a qualidade melhor de vida. Assim é obrigatório a todos, o licenciamento ambiental junto ao órgão público assim destinado, progressivamente competente, sempre que vier a CONSTRUIR, REFORMAR, AMPLIAR, INSTALAR OU FAZER FUNCIONAR em qualquer parte do território nacional, obras ou serviços potencialmente poluidor. Desde que surgiu o homem ele faz uso dos recursos da natureza, transformando em ferramentas, em alimentos, e em apoio ao chamado desenvolvimento civilizado, e sempre existem resíduos destas transformações, além dos descartes racionais.

A ÁGUA :- Onde surgimos. Onde iniciou-se toda criação dos seres vivos. Até hoje ela é imprescindível ninguém vive sem ela. Ela hoje é um dos maiores riscos ambientais da civilização humana. ( Hoje Países ricos, estão investindo em buscar água potável em Países pobres, preservando a sua). A ÁGUA ESTA LIGADA A PRESERVAÇÃO DA VIDA, E SUA PRINCIPAL PARCEIRA EM RECICLAR , PURIFICAR, E PRESERVAR SÃO AS ÁRVORES. E tanto, ESPÉCIES EXÓTICAS X NATIVAS BRASILEIRAS. (SÃO PAULO - possui MATA ATLÂNTICA , MATA DE TRANSIÇÃO, E CERRADO). Espécies exóticas são aquelas que ocorrem em uma área fora de seu limite natural historicamente conhecido, como resultado da dispersão acidental ou intencional através de atividades humanas ( Ex.Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, 1992)

Desta forma, o Mundo inteiro, assim como o Brasil, deverá enquadrar-se a curto e médio prazo, em CERTIFICAÇÕES, documentos de monitoramento técnico oficial, ou particular, que irão dar a certificação de qualidade, tanto de onde viveremos, como do que iremos ingerir. E toda esta nova ordem de qualidade de vida que é a desejável; orientará a sustentabilidade do homem no campo, e do homem urbano, logo alcançar esta melhor qualidade de vida será uma obrigação de todos nós.

Comentário de Gilberto Fugimoto em 11 janeiro 2018 às 21:02

Eduardo,

Excelente lembrança que destaca o dia e ressalta a importância profissional do Engenheiro Agrônomo!

abração

© 2018   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo