Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Engo. Agro. JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO

                                                                                                                                           jviana@openlink.com.br

Sistema de Drenagem Urbana Sustentável (SDUS) é aquele que promove o retardamento e o tratamento das águas das enxurradas, e que inclui uma ou mais das seguintes estruturas: pisos permeáveis, valas de infiltração/filtração, trincheiras filtrantes, bacias de detenção (piscinões), wetland construídas e lagoas. (*)

 

As cheias urbanas, nessa época de aquecimento global, são um dos principais problemas ambientais em todo o mundo, principalmente nos países tropicais como o nosso (onde chove muito). Além das chuvas, o maior agravante das enchentes, mesmo onde há sistemas de drenagem (técnica para a retirada da água), é a impermeabilização dos terrenos, tanto maior quanto a densidade populacional (número de habitantes por hectare).

 

Na Figura acima, apresento o comportamento das enchentes nos vários tipos de terreno (nas cidades, a descarga é maior e acontece num tempo reduzido) e as estruturas que caracterizam a Drenagem Urbana Sustentável.

 

Este texto se justifica, ao meu ver, por 3 motivos principais:

1 – O aquecimento global tem aumentado a incidência de tempestades;

2 – A urbanização no Brasil já passa de 82% (de cada dez, 8 pessoas vivem em cidades); e

3 – Desde a década de 60 os Engenheiros Agrônomos observam benevolentes a constante subtração de suas atribuições profissionais como, p.ex., o estudo de florestas (para os Engenheiros Florestais); o manejo de animais (para os Zootecnistas); irrigação e drenagem (para os Engenheiros Agrícolas); etc., portanto, está na hora de “beliscarmos” também os estudos de drenagem urbano dos Engenheiros Civis.

 

TIPOS DE DRENAGEM

Existem 2 tipos de drenagem: a tradicional (antiga), formada por galerias de águas pluviais, e a moderna (atual) chamada de sustentável. A primeira foi projetada para remover a água da chuva tão rápido quanto possível do ponto onde caiu, até o seu local de destino, um valão, um córrego ou um sumidouro (área arenosa).

 

Efeitos danosos:

Esta abordagem (equivocada) apresenta uma série de problemas. São eles:

a)     o escorrimento dos pisos impermeáveis e dos telhados, aumenta o risco de enchentes à jusante e a redução do tempo de pico;

b)     os drenos levam água poluída, da superfície das ruas, para os rios e contamina o lençol freático; e

c)      ao desviar a água para as galerias, essa deixa de penetrar no solo, reduzindo a recarga do aqüífero subterrâneo e a vazão dos rios.

 

Como resultado, a grande maioria dos nossos rios urbanos, estão sem vida e sem atrativos e, pior que isso, muitas vezes escondidos em galerias abaixo da superfície. Quando não se tornam rota de bandidos em fuga, como aconteceu nesse final de novembro no cerco policial do Complexo do Alemão, Rio de Janeiro – RJ, visto na TV pelo Brasil e o mundo.

 

VANTAGENS DA DRENAGEM SUSTENTÁVEL

A filosofia deste método é possibilitar e facilitar a penetração da água da chuva no solo urbano, diminuindo o volume das enxurradas e retardando o tempo de pico, além de tratar parte da poluição (difusa). As suas principais vantagens sobre o método tradicional de drenagem urbana são as seguintes:

1)     Reduz os riscos de inundações.

2)     Minimiza a poluição difusa.

3)     Mantém ou restabelece o regime normal do fluxo dos rios.

4)     Melhora os recursos hídricos.

Possibilita o lazer.

 

Mais informações sobre Drenagem Urbana na minha página pessoal. (**)

Boa leitura.

 

(*) www.sepa.org.uk/water/water_publications.aspx

 

(**) www.ufrrj.br/institutos/it/de/acidentes/baciaurb.htm

Exibições: 2882

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

© 2017   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo