Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

ENGENHARIA AGRONÔMICA OU AGRONOMIA? ENGENHARIA AGRONÔMICA!

Por José Otavio Menten, presidente do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), vice-presidente da Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior (ABEAS), Eng. Agrônomo, Mestre e Doutor em Agronomia, Pós-Doutorados em Manejo de Pragas e Biotecnologia, Professor Associado da USP/ESALQ.


Engenheiros agrônomos são formados em cursos de Engenharia Agronômica, assim como engenheiros florestais em cursos de Engenharia Florestal, engenheiros agrícolas em cursos de Engenharia Agrícola, engenheiros de pesca em cursos de Engenharia de Pesca. Agronomia é o conjunto de ciências e princípios que regem a prática da agricultura. Agricultura é a arte e a ciência de produzir animais e vegetais úteis ao homem, respeitando o ambiente (recursos naturais) e as pessoas. Agronomia também pode ser entendida como sinônimo de ciências agrárias. Com este significado, Agronomia envolve as Engenharias Agronômica, Florestal, Agrícola e de Pesca/de Aquicultura. É com este entendimento que o sistema CONFEA/CREAs emprega o termo: Conselho Federal de Engenharia e Agronomia. Na Agronomia estão contempladas todas as engenharias das agrárias. As suas Câmaras Especializadas de Agronomia incluem todas as engenharias citadas. As ciências agrárias ainda incluem medicina veterinária, zootecnia e ciência dos alimentos.

Assim, embora possa existir uma escola de Agronomia, onde pode ser oferecido um ou mais dos cursos de engenharia citados, não existe um curso de Agronomia. Este curso seria para formar agrônomos. A partir de 1933, através do Decreto Federal 23.196/33, foi regulamentada a profissão do engenheiro agrônomo ou agrônomo, na época considerada sinônimo. Entretanto, desde 1946, através do Decreto Lei 9.585/46, fica oficializado que os estabelecimentos de ensino superior concedem o título de engenheiro agrônomo aos seus diplomados. O sistema CONFEA/CREAs, instituição que concede os títulos profissionais, contempla apenas o título engenheiro agrônomo, e não Agrônomo. Entretanto, o MEC (Ministério da Educação), em sua Resolução  CNE  n. 1 , de 2006, define as Diretrizes Curriculares do Curso de Engenharia Agronômica ou Agronomia. Embora no Artigo 5 desta Resolução cite apenas Engenharia Agronômica, no seu conteúdo promove o conceito dos termos serem sinônimos. Isto leva um situação que necessita ser esclarecida, já que as instituições de ensino tem o direito de definir o título acadêmico de seus formados. Esta situação induz a posicionamentos como o do Guia do Estudante, publicação muito conhecida, que mantém o nome Agronomia para os Cursos de Engenharia Agronômica.

Desta forma, existiam cadastrados no MEC (Senso da Educação Superior, DEED/INEP/MEC), em 2012, 29 Cursos de Engenharia Agronômica, oferecendo 2.143 vagas em Instituições públicas (federais e estaduais) e privadas, e 233 Cursos de Agronomia, oferecendo 18.389 vagas, em instituições públicas (federais, estaduais e municipais) e privadas. Qual a diferença entre os cursos de Engenharia Agronômica e Agronomia? O primeiro forma engenheiros agrônomos e o segundo agrônomos? Existe diferença na carga horária e na matriz curricular dos cursos? As atribuições profissionais de engenheiros agrônomos e agrônomos são distintas? Como as respostas são negativas, não existe razão de se manter o termo equivocado para o curso de agronomia, assim como não se deve mais usar o termo agrônomo para o profissional formado por estas escolas.

O que temos no Brasil são cursos de Engenharia Agronômica que formam engenheiros agrônomos. A Lei Federal 5.194/66 regula a profissão de engenheiro agrônomo. Não emprega o termo agrônomo. Da mesma forma, a Resolução 218/73, do CONFEA, que trata das diferentes modalidades profissionais, cita apenas engenheiro agrônomo.

A sugestão é que o MEC promova nova redação da Resolução 1/2006, deixando claro que o curso é Engenharia Agronômica. E que este entendimento seja amplamente divulgado para que as instituições de ensino corrijam o nome do curso que oferecem, utilizando o termo correto: Engenharia Agronômica. Isto vai facilitar o entendimento da sociedade, em especial dos jovens, ao decidirem o curso que vão escolher. Ainda hoje existe muita dúvida sobre este assunto. Agronomia deve ser utilizado com o significado de ciência ou como sinônimo de ciências agrárias. Engenheiros agrônomos são formados nos cursos de Engenharia Agronômica e não Agronomia. E não existem agrônomos. Existem engenheiros agrônomos!

Sobre o CCAS

O Conselho Científico para Agricultura Sustentável- CCAS é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça.

Acompanhe o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel

Exibições: 1475

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de PEDRO LUIZ DE FREITAS em 24 julho 2018 às 11:22

Como o personagem de Miguel de Cervantes, estamos numa briga contra "Moinhos de Vento".  O "moinho", nesse caso, é a denominação de nossa formação acadêmica de "Engenheiros Agrônomos". Se a ciência que estudamos é "Agronomia", não é um contrassenso sermos chamados de "Engenheiros Agrônomos"? (Renato Barbosa para a lista Agricultura Sustentável).

Contra esse “moinho” eu diria que brigamos e fomos derrotados.  Nós, Engenheiros Agrônomos, recebemos uma formação holística que nos habilita a entender e dominar o mundo da Agricultura, na sua definição mais ampla, da conservação e o uso racional dos reinos vegetal e animal, com aquele impacto na qualidade da água e do ar que somente nós conseguimos explicar.  Quem nos coloca de volta à realidade é o Professor Menten nesse artigo publicado em 2014. Assim, em tempos que buscamos uma Agricultura Sustentável onde a integração é primordial, cabe a nós, Engenheiros Agrônomos, entender a necessidade de buscar colegas mais especializados.  Cabe também a esses colegas entender a importância de um profissional com formação holística e completa na lida das ciências agrárias para compatibilizar esses sistemas mistos na busca da sustentabilidade.  Esse não é um sonho impossível, mas uma forma de evitar a visão da realidade, meio caminho, segundo Cervantes, para a loucura.

Comentário de PEDRO LUIZ DE FREITAS em 14 setembro 2017 às 11:28

DIA MUNDIAL DA AGRONOMIA - 13 DE SETEMBRO - Agronomia é, segundo o Engenheiro Agrônomo José Otavio Menten (Professor Doutor, USP/ESALQ, CCAS e ABEAS), “o conjunto de ciências e princípios que regem a prática da agricultura, arte e ciência de produzir animais e vegetais respeitando o meio ambiente e as pessoas”.  Assim, reverencia-se, nesse dia 13 de setembro, os vários profissionais da Agronomia como Engenheiras e Engenheiros Agrônomos, Florestais, Agrícolas, Ambientais e de Pesca/Aquicultura, além de zootecnistas, de médicos veterinários com especialização nas ciências agrárias e tecnólogos, entre outras e outros colegas agrônomas e agrônomos.  Dos vários cursos que, em conjunto, formam a Agronomia, homenageada nessa data, surgem os profissionais que alicerçam o agronegócio brasileiro.  Entre eles, encontramos os egressos dos cursos de engenharia agronômica, com pleno domínio das técnicas de planejamento, implantação, condução e preservação ambiental.  Engenheiras Agrônomas e Engenheiros Agrônomos comemoram o seu dia em 12 de outubro.  O papel de Engenheiras e Engenheiros Agrônomos em prol da sociedade brasileira será um forte  ‘mote’ do Congresso Brasileiro de Agronomia que acontecerá no Rio de Janeiro em 2019.

Comentário de marco aurelio dos santos em 26 agosto 2014 às 9:57
Comentário de Tito Livio Canton em 24 agosto 2014 às 13:44

Mais um que está "esclarecido" erradamente...

Comentário de Jefferson G. Acunha em 24 agosto 2014 às 12:43

Colega José Otávio Menten, parabéns e obrigado pelos esclarecimentos!

Comentário de Tito Livio Canton em 23 agosto 2014 às 13:24

Errado de novo. Quem faz um curso de Agronomia, que por sua vez constitui o grupo Agronomia do sistema CONFEA-CREAs (Lei 5194/666) recebe o título de Engenheiro Agrônomo e que não se constitui uma modalidade de Engenharia. A  Engenharia, conforme a mesma Lei se constitui e modalidades (civil, elétrica, mecânica, etc), A Agronomia não, é grupo profissional que abarca profissões, tais como o próprio Eng Agrônomo, o Eng, Florestal, o Eng. Agrícola, etc. sem existir modalidades. Vamos parar com achismos  e gostos e preferencia pessoais sem fundamentos. Mudar agora, nesta altura do campeonato, só faria mudar todo o arcabouço legal que sustenta nossas atribuições legais, para pior, ou seja o fato de ser uma profissão legalmente habilitada.

Comentário de Lucas Paiva Ribeiro em 23 agosto 2014 às 11:19
Claro que deve ser engenheiro agrônomo, se temos essa habilitação de sermos engenheiro, o curso devia se chamar eng. Agronômica com certeza. Temos que pedir essa mudança.
Comentário de Tito Livio Canton em 22 agosto 2014 às 20:26

Absolutamente errado. O articulista desconhece os diplomas legais que regem o assunto, especialmente o Decreto, de uns 80 anos, e em pleno vigor, que estipula que "Os formados em Agronomia receberão o título de Engenheiro Agrônomo". Portanto, este assunto não comporta mais discussão, baseada em falsos conceitos e em desconhecimento do que é uma profissão legalmente habilitada. Antes de escrever bobagens é melhor consultar e entender as Leis. Tá ai a dica, entrem no Google ou no CONFEA e pesquisem o que rege o assunto, a começarpelo artigo 6 da Constituição Federal.

Comentário de Andre Cesar em 22 agosto 2014 às 14:51

Artigo replicado no site do Crea-AL e mantida a fonte.

Visite: http://www.crea-al.org.br/portal/agronomos-ou-engenheiros-agronomos/

Abraço a todos!

Comentário de José Leonel Rocha Lima em 22 agosto 2014 às 9:16

Faço meu o comentário do Andre Cesar!!!

MUITO OPORTUNO!!!

JUNTAMENTE COM OS COLEGAS DE MARINGÁ ESTAMOS NA CAMPANHA DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO E NÃO SIMPLESMENTE DO AGRÔNOMO.

© 2021   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço