Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Está certo produtos como tomate e cebola contarem no peso da inflação brasileira?

Por José Luiz Tejon Megido, Conselheiro Fiscal do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM, Comentarista da Rede Estadão

Vamos imaginar que o feijão conte, o arroz, a carne, o leite, o trigo e seus derivados como o pãozinho francês também. São agrossistemas grandes, horizontais e verticais, e com escalabilidade e dispersão geográfica que permitem diminuir os fatores incontroláveis das culturas. Em outras palavras, mesmo não tendo, poderíamos ter planejamentos dessas cadeias produtivas que aumentariam a segurança das ofertas desses produtos.

Mas olhem só se não temos uma planificação e um zoneamento agropecuário, com metas de produção, custos, seguro, armazenamento, logística, distribuição e negociações para as grandes lavouras, e inclua-se nisso o café, os grãos, o algodão, e até a cana de açúcar e etanol; imagine as centenas de itens do setor hortifrutigranjeiro, que vivem hoje totalmente dependentes de heróicos e bravos produtores, e dos sistemas desassistidos de planificação, tendo vozes isoladas, que há décadas pedem modelos como os norte-americanos para esse capilarizado ramo, as Comissions, produto a produto, como salienta a Dra. Anita Gutierrez do Ceagesp.

Então, vira e mexe lá estão a cebola e o tomate, o xuxu e o pimentão na roda viva de vilões da inflação. O ICVM, Índice do Custo de Vida da Classe Média, monitorado pela Ordem dos Economistas do Brasil, tem variações muito parecidas com o IGP-DI da FGV. São 468 itens pesquisados. E dentre esses, 313 tiveram alta generalizada. No mês passado a alimentação contou 32,3% no ICMV. Subiu ainda mais. A cebola cresceu 41,6% e o tomate 13,08%. Como curiosidade, até as despesas com jogos lotéricos em maio, cresceram 20,62%. Ou seja, nada contra quem pesquisa, ou relata, e revela, mas se tem seca, praga e doença, na cebola e no tomate, e isso conta na inflação e gera uma alavanca que inflaciona todos os demais preços, ou passamos a ter um planejamento detalhado produto a produto na contabilidade inflacionária, ou se revê o que pesquisar. Como Einstein disse: tem números que são contados e não contam. Tem números que não são contados e que contam. E números que são contados e que contam.

Sobre o CCAS

O Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça.

Acompanhe o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel

Exibições: 206

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de Antônio Carlos Coutinho em 22 junho 2015 às 12:08

Acho que deveria ter mais critério na seleção dos alimentos que deveriam entrar no cálculo da infração!

O consumo de tomate, cebola, xuxu, etc.é insignificante na mesa da família brasileira, já arroz, feijão, carne, ovos, derivados do leite, derivados do trigo e do milho são muito representativos

Comentário de José Leonel Rocha Lima em 21 junho 2015 às 15:34

Trabalho com o acompanhamento do mercado de hortifruti na Ceasa-RJ.

As inúmeras e efêmera altas dos poucos produtos hortifruti que entram no cálculo do índice não beneficiam em nada os produtores, pois são resultantes da lei da oferta e da procura. E prejudicam sobremaneira a população brasileira, principalmente a de menor renda.

© 2021   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço