Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

IRRIGAÇÃO DE PASTAGENS POR ASPERSÃO EM MALHA

Engo. Agro. JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO

jviana@openlink.com.br

 

.

Até alguns anos atrás, nem se pensava em irrigar capim mas, com a valorização da carne de boi para exportação, essa atividade virou um bom negócio. A baixa tecnologia utilizada pelos pequenos criadores, faz com que um hectare de pasto (10.000 m2) só sustente uma cabeça de gado, contra três nos Estados Unidos. A irrigação (aliada a outros fatores de produção) está mudando esse quadro. E ela veio com uma novidade técnica, nunca antes utilizada na agricultura brasileira: a rede em malha, ou anel. Veja na Figura abaixo um esquema que eu fiz para uma área de 3 ha.

.

.

A REDE EM ANEL

Rede em anel, como diz o nome, é o conjunto de tubulações que forma uma figura fechada, sendo alimentada por mais de um ponto. Isso equilibra as pressões e diminui o diâmetro dos tubos. Na Figura acima, a numeração da 1a. malha à esquerda, indica a posição a ser ocupada pelo aspersor durante a rega.

.

Outras novidades do novo método, segundo a Embrapa, são as seguintes:

a)     os diâmetros das tubulações (25 e 50 mm) são pré-fixados;

b)     as tubulações são fixas, e enterradas a 30-50 cm;

c)      em cada malha, só funciona um aspersor por vez;

d)     a pressão de serviço do aspersor é baixa (H=10 a 20m; R=6 a 12m); e

e)     a potência da moto-bomba também é baixa (2 a 5 CV/ha).

.

VANTAGENS AMBIENTAIS

Sabemos que a atividade pecuária (principalmente a de animais de grande porte, criados de forma extensiva) é de grande impacto ambiental. Seja pelo desmatamento que provoca, compactação do solo, excesso de nutrientes (fezes e urina) que provocam a eutrofização de mananciais, metano expelido pelo rúmen, consumo de água na industrialização da carne, etc. Como a irrigação aumenta o alimento do gado, tanto em quantidade como em qualidade, cada hectare passa a ser bem melhor aproveitado, liberando as áreas de pasto degradadas para as atividades agrícolas ou florestais.

.

FONTES:

.

http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/BovinoCorte/...

.

www.bovino.com.br/emb/spc/sudeste/irrigacao.php

.

www.cppse.embrapa.br/080servicos/070publicacaogratuita/boletim-de-p...

 

Exibições: 22560

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 31 janeiro 2014 às 16:40

Josivan,

Acho temeroso chamar meu esquema de Projeto; ele é um simples croqui. O primeiro passo nos estudos posteriores seria calcular as necessidades de irrigação (função do clima e latitude); escolher o aspersor (por um catálogo); checar a topografia do local de captação e do lote a ser irrigado; calcular as velocidades no interior das tubulações (o software Epanet 2.0 pode ser usado); etc. O número de setores seria um dos resultados desses estudos. Um abraço.

Comentário de josivan da costa ferrer em 29 julho 2012 às 20:33

Parabens pelo projeto, quanto setores seria dividido este projeto?

Comentário de Jean Carlos Cerqueira Martins em 30 março 2011 às 9:10
José Luiz, obrigado !
Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 30 março 2011 às 8:03

Jean,

essa resposta está em um dos três links que coloquei ao final e, se não me falha a memória, é de cerca de R$ 1.800,00 por hectare.

Um abraço

Comentário de Jean Carlos Cerqueira Martins em 29 março 2011 às 13:56

Caro José Luiz, você tem uma idéia do custo por hectare para instalação do sistema em malha?

 

© 2014   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo