Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

MAIS UM PERIGO A CLASSE AGRONÔMICA À FRENTE: Novo PL 1.016/2015 quer reduzir ou eliminar nossas atribuições em zootecnia.

O Projeto de Lei Nº 1.016, de 2015,oferece nova redação ao art. 3º e revoga a alínea “c” do art. 2º da Lei nº 5.550, de 4 de dezembro de 1968, tendo por finalidade definir atividades e atribuições profissionais privativas e não privativas do zootecnista.

 

Exibições: 6068

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de Gilberto Fugimoto em 30 junho 2015 às 14:53

Paula,

Grato pela participação e incentivo para continuarmos lutando

abração

Comentário de Francisco Lira em 30 junho 2015 às 13:35

Leiam!!!! Digam Não!!!!! ao PL 1016/2015.
''Os danos ou equívocos desse projeto extrapola as questões de domínio profissional eu de grade curricular. Ele segue na contramão do caminho da soberania alimentar do País, causando prejuízos ao produtores e a sociedade.
Em reflexão simples sobre agricultura familiar e sua produção de 56% da carne produzida no País, segundo o ultimo senso agropecuário 2006, e dos 4.600.000 propriedades familiares existentes e que somente 25% destas tem algum tipo de assistência técnica, mostram que essa grande produção foi resultado do trabalho dos três segmentos profissionais. Enquanto os três segmentos juntos não conseguem chegar a grande maioria dos agricultores para diminuir essa exclusão e ampliar os espaços de atuação dos profissionais no campo, esse projeto quer reduzir à um só segmento. Isso vai piorar em quantidade e qualitativamente a política de ATER e desastrosamente colocando em risco a produção de mais da metade da carne consumida pela população brasileira.'' Eduardo Cesar Correia.

Comentário de Francisco Lira em 30 junho 2015 às 13:35

Bela iniciativa Paula,parabéns!!

Comentário de Paula Sancho Magalhães em 30 junho 2015 às 12:47

Encaminhei a petição para todos os meus colegas Engenheiros Agrônomos, amigos e estudantes de Engenharia Agronômica da UNEB - Campus III, que conheço.

Parabéns Gilberto e demais colegas pela Rede Agronomia.

Comentário de Gilberto Fugimoto em 30 junho 2015 às 10:08

Coutinho e colegas,

Acho que vc resumiu bem: está ficando cada vez mais difícil trabalhar.

O pior que isso só contribui para piorar o quadro da agricultura brasileira.

A grade curricular Engenheiro Agrônomo foi desenvolvida para ser um agente de desenvolvimento rural, por isso esse leque amplo. É bom lembrar que a lógica que prevalece é mais ampla que o interesse corporativo.

Considerando o que disse a Denise: a especialização é muito boa para o especialista: aquele sujeito que entende cada vez mais sobre cada vez menos. No contexto da agricultura a compartimentação de atribuições profissionais como quer o PL e a zootecnia, só vai aumentar / dificultar o acesso à Assistência Técnica. O agricultor vai se ver obrigado a contratar 3 profissionais. Quem aguenta isso?

Pelo visto é preciso uma certa maturidade para entender esse contexto, especialmente se essa perspectiva não foi repassada nos bancos acadêmicos. Termina-se assim com uma visão estreita voltada apenas para especialização em fitotecnia, que é uma redução absurda do nosso perfil profissional.

Grande abraço

Comentário de Antônio Carlos Coutinho em 29 junho 2015 às 18:29

Prezados Colegas Francisco, Elisiane, Denise e Gilberto, boa tarde!

Eu sou "da Velha Guarda", do tempo da "Diversificação" no Curso de Agronomia!

Durante a minha vida profissional, 35 anos, convivi pacificamente com Técnicos Agrícolas, Zootecnistas, Engenheiros Agrícolas e Engenheiros Florestais!

Engº Agrº com diversificação e Zootecnia, atuei praticamente em todas as áreas da Agronomia, até na área Florestal, sem problemas!

Sei lá, parece que cada dia que passa está ficando mais difícil de se trabalhar!

Comentário de Francisco Lira em 26 junho 2015 às 17:39

Sugiro ainda senhora Elisiane que faça a correção da posição do  símbolo da agronomia ela esta errada!!!!!!.

Comentário de Francisco Lira em 26 junho 2015 às 17:35

O CRMV de MT cara estudante é um caso  a parte, e que não representa o todo, mas o que vejo é que você anda muito mal orientada e fica caçado meios para diminuir  os argumentos legítimos de nossa luta em prol de nossas atribuições, você infelizmente em breve, se formada formará aquele velho e clássico grupo que só  reclamar da falta  de união, de ação da classe em defesa de suas atribuições e valorização profissão.

Comentário de Francisco Lira em 26 junho 2015 às 17:26

Como é ?? Não nos capacita?? Pois veja o meu ele me capacita!!!

http://www.ufpi.br/subsiteFiles/cca/arquivos/files/fluxograma%20agr...

Agora concordo que temos que evoluir em nossa grade curricular e reverter essa tendência irrespondível de algumas faculdades de ficar reduzindo nossas cadeiras na áreas de produção animal.

Comentário de Francisco Lira em 26 junho 2015 às 0:17

Também lamento prezado colega e incansável defensor de nossa profissão , mas sei que muitos colegas e estudantes sabem da importância da valorização de nossas atribuições, por isso convoco todos a defenderem o direito de qualquer estudante ou profissional a seguir a especialidade que desejar, seja ela na produção animal , vegetal, engenharia rural, genética, solos, o que quer que seja, pois sempre fomos o exemplo  em todos esse setores e continuaremos a ser enquanto houver seres humanos nesse planeta e bocas a alimentar.

© 2020   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço