Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

ÁREA FOLIAR DO PEPINO

A cultura de pepino encontra-se entre as dez hortaliças de maior interesse comercial no Brasil, destacando-se o atendimento da demanda no período de entressafra, geralmente associado ao período de inverno. O rendimento do pepino cultivado a campo no Brasil é ainda muito reduzido, estando em 1,6 kg/m² para pepino em conserva e, 2,5 a 8,0 kg/m² para pepino tipo salada (Silva et al., 1992; Epagri, 1993). Para as condições de cultivo em casa de vegetação, os rendimentos encontram-se entre 15 a 30 kg/m² (Alfonso Osório et al., 1984; Robles, 1985; Martins et al., 1995).

A interação entre as plantas (genótipos) e o ambiente (fatores climáticos e edáficos) condiciona a produção agrícola em determinada região. Pode-se afirmar que a produção vegetal está diretamente relacionada com o aproveitamento da energia solar pela cultura, transformada em energia química durante o processo fotossintético (Leme et al., 1984) sendo as folhas principais responsáveis por esta conversão. (1)

Yang et al. (1990) relacionando comprimento (L), largura (W) e área foliar (A) em folhas da cultura de pepino, obtiveram o seguinte modelo:

A = 0,739.L.W - 0,00104

Onde A = área foliar (cm²), L = comprimento da folha (cm) e W = largura da folha (cm).

A partir de valores de A encontraram modelos para estimar o Índice de Área Foliar - IAF em função da altura (h) da cultura: IAF = 0,886.h - 0,0965 (R2 = 0,99).

No estudo, avaliou-se, semanalmente, ao longo do ciclo da cultura, a área foliar (m2 de folha por planta) e o índice de área foliar (IAF) através de medidor de área foliar (modelo Licor 3000) denominado "Areameter". Foram coletadas, também semanalmente, duas plantas, dentro e fora da casa de vegetação, cujo IAF foi obtido a partir da relação:

IAF = (AF.NP)/AT

em que:

AF - área foliar média de duas plantas (m2)

NP - número de plantas por metro quadrado (8 plantas)

AT - área total considerada (1 m2)

Relação entre IAF e produtividade

A produtividade total do ciclo de inverno foi de 20,56 e 4,99 kg/m², para as condições interna (Pint) e externa (Pext), respectivamente. Tal diferença associa-se a uma condição de exposição do meio externo a elevadas amplitudes térmicas ao longo do dia e do ciclo e, também, ao estresse mecânico provocado pelo vento frio (média interna de 0,118 m/s e média externa de 2,06 m/s) que danificou o caule da cultura, provocando a morte de tecidos e de algumas plantas.

Como o IAF se relaciona com a produção de matéria seca e consequente produção total da cultura (Mota, 1981) relacionou-se a produtividade em kg/m².semana com o IAF, através de modelos exponenciais do tipo Y = a.ec.IAF, obtendo-se os seguintes modelos:

Pint = 0,426.e0,364.IAF

Pext = 0,133.e0,887.IAF

Medições com ImageJ

A área foliar medida pela equação foi de A = 30,2 cm². Como não tínhamos referência de escala, consideramos a extensão dos 4 dedos da mão, na altura do bordo esquerdo da folha, como sendo de 7,5 cm.

 

REF.

Exibições: 133

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 18 janeiro 2020 às 9:28

INJÚRIA FOLIAR E PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA

A  folha  é  a  estrutura  responsável  pela  produção  da maior  parte  dos  carboidratos essenciais  ao  crescimento  e  desenvolvimento  dos  vegetais  (Taiz;  Zeiger,  2004)  e  assim, fatores  que  afetam  a  produção  da  área  foliar,  também  afetam  diretamente  a  produção  de determinada  cultura. A  área  foliar  é  correlacionada  com  o  potencial  produtivo  das  culturas, dessa  forma,  pode-se  dizer  que  a  produção  vegetal  está  diretamente  relacionada  com  o aproveitamento  da  energia  solar  pela  cultura,  transformada  em  energia  química  durante  o processo  fotossintético  (Leme;  Maniero,  1984). (1)

A medição do efeito da injúria foliar na redução da produtividade agrícola é uma tarefa de grande importância.  Além  disso, existem  modelos  matemáticos  de estimativa de redução de produção em função do estágio de desenvolvimento da cultura e da intensidade  da  ocorrência  da  injúria  foliar. 

Tempo decorrido para medir a área foliar. O tempo total foi medido para digitalizar uma única folha três vezes com a área foliar do planímetro, de acordo com o método descrito acima. Três folhas diferentes foram medidas desta maneira e um tempo médio calculado. Para a câmera digital, o tempo foi medido para converter três conjuntos de imagens com três folhas cada, em uma única imagem digital. Em seguida, medimos o tempo para calcular a área foliar e a lesão (área foliar removida) desses arquivos digitais. Todas as estimativas de tempo supuseram que um usuário estava familiarizado com o software e o hardware e que o hardware estava com tempo suficiente para começar a trabalhar imediatamente. A porcentagem de área foliar consumida devido a herbívoros de insetos foi calculada pela diferença entre as áreas foliares restantes e iniciais. A equação a seguir foi utilizada para simular a área foliar consumida devido aos insetos herbívoros. (2)

Medição da injúria foliar da soja

1 - Configuração da escala (5 cm na folha 1)

2 - Resultado com o comando Find edges

No caso da folha 6 (contorno em vermelho), após o uso da varinha mágica (e clique na borda) houve a necessidade de usar a tecla shift para que toda a folha fosse atendida.

Resultados:

N

A(cm²)

% A

% I

%AIT

N

A(cm²)

% A

% I

%AIT

 1

24,3

91,8

8,2

5

1

24,3

18,5

-

5

2

23,3

90,4

9,6

10

2

23,3

21,7

-

10

3

23,4

78,7

21,3

20

3

23,4

31,7

-

20

4

23,6

68,7

31,3

30

4

23,6

39,1

-

30

5

14,9

80,9

19,1

40

5

14,9

41,5

-

40

6

12,3

86,1

13,9

50

6

12,3

49,0

-

50

Legenda: N = número da folha; A = área foliar; I = injúria

                AIT = área foliar com injúria

Observe que o primeiro processo se ajustou melhor às  folhas 1 a 4, e o segundo (com o comando Find edges) às duas últimas, com mais injúrias (justamente as que apresentaram maior perímetro).

 

REF.

(1) https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/5040/LUCAS%2C%20DION...

(2) https://ijair.org/administrator/components/com_jresearch/files/publ...

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 16 janeiro 2020 às 17:03

FOLHA DO TOMATEIRO (cont.)

Área da folha após o comando Process > Find Edges.

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 16 janeiro 2020 às 16:14

MEDIÇÃO DA FOLHA DO TOMATEIRO

1 – Configuração da escala.

2 – Medição do comprimento (C)

3 – Medição da largura (L)

4 – Medição da área (A)

4-a) Uso da varinha mágica

4-b) Folha que faltou

RESULTADOS

1 – Área foliar por fórmula.

AF = C*L*f = 12cm*6,8cm*0,59 = 48,1 cm²

AF = 0,708*L² - 10,44*L + 83,4 = 45,1 cm² (*)

2 – Área pelo contorno.

AF = 20,3cm² + 1,9cm² = 22,2 cm²

 

(*)http://www.nucleus.feituverava.com.br/index.php/nucleus/article/vie...

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 12 janeiro 2020 às 17:43

MEDIÇÃO DA ÁREA FOLIAR DO EUCALIPTO

As três Figuras abaixo mostram, em sequência, o cálculo da área foliar do eucalipto variedade urograndis: a) através de fórmula (A = 45,6 cm²); b) contorno automático com varinha mágica A = 45,7 cm²); e d) contorno com a ferramenta polígono do ImageJ (A = 46,1 cm²).

REF.

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 10 janeiro 2020 às 16:08

ESPAÇAMENTO DE PLANTIO DA SOJA

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 10 janeiro 2020 às 7:52

CARACTERÍSTICAS DA SOJA

Nos cálculos dos IAF da soja que fizemos anteriormente, tivemos de fazer algumas simplificações, entre elas as seguintes:

1 - usamos a medida da área foliar de um único folíolo, e não a média dos três (que formam a folha composta) como recomendado;

2 - consideramos todas as folhas adultas e íntegras, no seu total máximo por planta, que é de vinte (20) como cita a bibliografia;

3 - é usual multiplicar o comprimento pela largura do folíolo e descontar 30% do resultado para obter a sua área foliar, mas optamos por adotar a área medida pelo ImageJ; e

4 - não levamos em conta a percentagem usual de desfolha no cálculo do IAF, comum por motivos climáticos, ataques de pragas e outras causas.

Sendo assim, a Figura abaixo apresenta na última coluna da planilha uma redução nos valores calculados.

A inclusão da desfolha se justifica pela Tabela abaixo, produzida pela Embrapa, e encontrada numa pesquisa na Internet sobre a cultura.

Os componentes que compõem o rendimento de grãos da soja são: número de plantas por área, número de vagens por planta, número de grãos por vagem e o peso de grãos, sendo que  dentre  esses,  o  mais  influenciado  pelo  ambiente  de  produção  é  o  número  de  vagens  por planta (Mundstock; Thomas, 2005). (1)

Para mostrar a diversidade fenológica dessa cultura e a sua influência no IAF, a Figura abaixo mostra o comportamento das folhas senescidas com a soma térmica acumulada após a semeadura da soja. Agora, com a diversidade climática que temos, imagine a variação do IAF por estado e por variedade da cultura.

Fenologia

Importância da área foliar

A  eficiência  do  uso  da  radiação  pela  soja  se  dá  pela  máxima  absorção  da  radiação fotossinteticamente ativa pelos tecidos fotossintetizantes, principalmente as folhas. O número, tamanho   e   a   taxa   de  senescência   das   folhas   determina   a   área   foliar   (AF)   da   planta (Rodrigues  et  al.,  2006).  A  área  de  folhas  e  a  sua  duração  estão  relacionados  ao incremento de carbono pela planta de soja. (2)

A Figura abaixo mostra como varia o IAF com o crescimento da planta, com pesquisa feita em Viçosa - MG.

Arranjo espacial

Tradicionalmente  as  lavouras  de  soja  vêm  sendo  conduzidas  em  espaçamentos  que variam entre 40 e 50 centímetros entre fileiras. A responsividade da soja a modificação no espaçamento entre fileiras é maior do que a responsividade de modificação na população de plantas (Strieder et al., 2013).

A   duração   de   vida   das   folhas   e,   por   consequência,   a   senescência   foliar,   são influenciadas  pela  luminosidade  e temperatura  da  mesma  forma  que  o  plastocrono.

Crescimento vegetativo

O crescimento vegetativo da planta se dá com base na emissão de folhas ao longo do caule, que possui de 16 a 20 nós, cada qual com folhas trifolioladas, sob condições edafoclimáticas adequadas de crescimento. O número de ramos laterais (as ramificações) é variável de acordo com o cultivar, a nutrição mineral, o espaçamento entre plantas, a disponibilidade de água, a temperatura e a radiação solar. Geralmente, o maior ramo se desenvolve a partir de uma gema localizada  na  parte  inferior  do  caule.  Desse  ramo,  podem  surgir  outros  ramos  secundários  menores.  Cada  ramo  lateral  tem  estrutura  similar  à  do  caule  principal  e  pode  gerar  outros  ramos e flores, além das folhas. (3)

REF.

(1)

http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/hw9EU...

(2) https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/13686/DIS_PPGAGRONOM...

(3)

http://senar-es.org.br/doc/uc/UC%207%20-%20Te%CC%81cnicas%20de%20Pr...

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 9 janeiro 2020 às 8:15

ÍNDICE DE ÁREA FOLIAR (IAF) DA SOJA (Cont.)

As máximas produtividades são obtidas em espaçamentos entre linhas

menores (20-40 cm) que os ainda utilizados nos EUA, isto é, 75 a 100 cm.

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 7 janeiro 2020 às 17:56

IAF Soja (no campo)

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 7 janeiro 2020 às 17:46

IAF SOJA - Cont.

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 7 janeiro 2020 às 12:19

ÍNDICE DE ÁREA FOLIAR DA SOJA

O máximo rendimento da soja (Glycine max) é determinado pela capacidade das plantas de interceptarem radiação solar através do Índice de Área Foliar (IAF) e converterem esta radiação solar em matéria seca pelo processo fotossintético (Zanon et al., 2015). O IAF é a razão entre a área foliar unitária da cultura e a área da unidade de solo, podendo variar com a cultivar, sua adaptabilidade ao ambiente e aos fatores do solo (Malone e Herbert, 2002; Câmara e Heiffig, 2000). (1)

A equação da área foliar da soja é mostrada abaixo.

Substituindo os dados de comprimento (C ou L) e largura (L ou W) da folha na equação avima, resultou em A = 33,7 cm².

Na soja, valores de IAF crítico (quando 95% da radiação solar é interceptada pelo dossel) variam entre 3,5 e 4,0, valor considerado suficiente para atingir o potencial de produtividade, até então de Mg/ha (Specht et al., 1999). (2)

A Figura abaixo mostra a representação do IAF e seu valor crítico.

A Figura abaixo relaciona o Índice de Área Foliar (IAF) da soja com a produtividade.

O Quadro abaixo lista os Estágios ou Etapas do desenvolvimento da soja.

O potencial de produtividade (PP) é a produtividade de uma cultivar que cresce sem limitações de nutrientes, estresses bióticos (plantas daninhas, insetos e doenças) e água, ou seja, a taxa de crescimento da planta ou da cultura é determinada pela radiação solar interceptada pelo dossel, temperatura, CO2 atmosférico e características genéticas (EVANS, 1993; VAN ITTERSUM & RABBINGE, 1997).(3)

Para atingir altas produtividades de soja – acima de 5 t/ha – as plantas precisam ter alta eficiência em interceptar a radiação solar, em converter a radiação interceptada em biomassa via fotossíntese e, por fim, ter alta partição da biomassa nos grãos. Uma variável que pode influenciar nesses processos é o índice de área foliar (IAF). O IAF é a relação entre a área foliar e a área de solo ocupada pelas plantas. Por exemplo, IAF 5,0 corresponde a 5,0 m2 de folhas em 1 m2 de área. A avaliação do IAF geralmente é realizada por meio da medição da largura e comprimento das folhas ou por equipamentos específicos, de alto custo.(4)

Nas cultivares com tipo de crescimento indeterminado, o IAF máximo geralmente ocorre entre os estádios R3 (início de formação de vagens) até R5.1 (início de formação dos grãos). Pesquisas recentes têm apontado que o IAF máximo ótimo para maximizar a produtividade em cultivares de soja com tipo de crescimento indeterminado se encontra na faixa de 5,5 a 7,0, variando com a cultivar, manejo empregado e método de determinação.

REF.

(1) Efeito da desfolha na cultura da soja na microrregião de Paragominas, Estado do Pará, Martins, C.L., UFRA, Belém, 2019.

http://repositorio.ufra.edu.br/jspui/bitstream/123456789/678/1/Efei...

(2) Índice de área foliar em função da expectativa de produtividade para soja (ioste.com.br)

http://ioeste.com.br/brasil-agricultura-indice-de-area-foliar-em-fu...

(3) Altas produtividades na cultura da soja podem ser limitadas pelo índice de área foliar?

https://megasafra.com/2018/06/06/altas-produtividades-na-cultura-da...

(4) http://www.agriplanmga.com.br/noticia/189/índice de área foliar ótimo na cultura da soja

© 2020   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço