Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

MOVIMENTAÇÃO DE SOLO EM GRAMADOS ESPORTIVOS

MOVIMENTAÇÃO DE SOLO EM GRAMADOS ESPORTIVOS

Foto-Sylvio Coutinho

Várias são as implicações da movimentação de solo, numa obra de Gramados Esportivos.

No caso de obra de Golf, por exemplo, a camada arável deve ser retirada (20cm de espessura), estocada, para depois do shape, ser reutilizada nos Fairways, antes do plantio. Isso numa área que pode chegar a 60 ha, estamos falando de 120 000m3 de material a retirar e estocar. Fora a movimentação de solo, para o shape (moldagem do campo), que pode facilmente passar dos 500 000m3.

É necessário que se tenha em mente que a movimentação de solo (Terraplenagem / Shape) é um importante componente de custo de uma obra de Gramados Esportivos.

Num Estádio de Futebol, muitas vezes, nos deparamos com movimentações de solo, não para atender a obra do campo em si, mas para atender a cota final do campo dada pela Arquitetura, cota esta, onde o espetáculo terá melhor visualização do público.

Isso ocorreu no Maracanã, na reforma para o PAN2007 e, agora no Mineirão (foto acima), na reforma para a Copa2014, onde o campo está sendo rebaixado em aprox. 3m. Ou seja, neste Estádio, serão retirados da área gramada, cerca de 42 000 m3 de material.

Em termos de custo, numa obra deste porte, temos a escavação e mais de 4000 caminhões caçamba de material a retirar, que a rigor, para a obra de execução do campo em si, não seriam necessários. É um serviço executado, no escopo do campo, porém por necessidade intrínseca e específica da remodelação de um Estádio já construído, onde se muda a posição do público, e por conseguinte tem de se alterar a cota do campo.

Quando se faz a planilha unitária de custo de uma obra de Gramados Esportivos, os custo podem variar muito em função das características específicas de cada trabalho, sendo portanto difícil dar um custo de execução genérico. Quando se diz que um campo de futebol, top de linha, tem seu custo médio de R$150,00/m2, tem de se ter em mente, que este é um valor médio, que não leva em conta uma movimentação de solo expressiva. Assim como, em função de custos unitários regionais, de areia lavada por exemplo, este valor pode cair bastante.

Por tudo o citado acima, vimos muitos projetos naufragarem, em termos de previsão de custos, uma vez que o profissional com experiência em Gramados Esportivos (Eng Agrônomo), nem sempre é ouvido na fase de orçamentação da obra.

Exibições: 234

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de Artur Melo em 11 setembro 2010 às 12:50
É sempre necessária, desde a fase de projeto, passando pela orçamentação, execução e manutenção, a participação do Eng Agrônomo com experiência em Gramados Esportivos, na equipe multidisciplinar de projeto/execução de Estádio, CT ou Empreendimento Turístico/Imobiliário que tenha o Gramado Esportivo (campo de Golf, por exemplo) em seu escopo.

© 2021   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço