Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Mudanças Climáticas: E Eu Com Isso?

Muito se fala em mudanças climáticas, mas alguém aqui já se deu ao trabalho de ler os Relatórios do IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change)? As informações repassadas são surpreendentemente simples mas sem perder a profundidade de análise. O 5º Relatório de Avaliação (AR5) foi aprovado em outubro de 2014 em Copenhagem, Dinamarca. 

 

Diante da gravidade do quadro apresentado, vale o debate na Rede Agronomia, considerando os graves impactos sobre nosso estilo de vida, sobre o ambiente e a produtividade agrícola. 

O Relatório já inicia destacando a seriedade com que foi produzido. Um Grupo de Trabalho composto por 60 pesquisadores e aprovado por 195 representantes governamentais dos países membros, apresenta algumas conclusões:

  • A influência humana sobre o clima é clara;
  • Quanto mais perturbarmos o clima, maior o risco de impactos graves, generalizados e irreversíveis;
  • Temos os meios para limitar a mudança climática e construir um futuro próspero e sustentável.

Para cada afirmação são fornecidos dados:

É extremamente provável que nós somos a principal causa do aquecimento desde meados do século XX.

Tabela 1. Temperatura Média global da superfície da terra e oceanos

Fonte: IPCC AR5 Synthesis Report (2014)

As últimas 3 décadas têm sido sucessivamente mais quentes que todas as décadas anteriores desde 1850

Tabela 2. Temperatura Média global por década,  da superfície da terra e oceanos

Fonte: IPCC AR5 Synthesis Report (2014)

Segundo o AR5, o aquecimento do clima é inequívoco e vem ocorrendo desde 1950. Muitas mudanças observadas são sem precedentes em milênios. A atmosfera e os oceanos tem esquentado e a quantidade de neve e gelo diminuído, o nível dos mares tem subido. O período de 1983 a 2012 foram os 30 anos mais quentes dos últimos 1.400 anos no hemisfério norte, onde tal avaliação é possível.

Oceanos absorvem a maior parte do calor contabilizando mais de 90% da energia armazenada no sistema climático entre 1971 e 2010, enquanto apenas 1% é armazenado na atmosfera.

Tabela 3. Média global de concentração de gases de efeito estufa

Fonte: IPCC AR5 Synthesis Report (2014)

 

Diminuímos a Emissão de Gases?

Diante desse quadro, após as Conferências do clima e os compromissos dos governos, estamos ao menos diminuindo a emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE)? Nãããããão!  

Pelo contrário, justamente nas últimas décadas aumentamos ainda mais (desculpem o pleonasmo) na última década, a emissão de gases (GEE, bem entendido), veja a Tabela 4 abaixo.

Tabela 4. Taxa anual de emissão de CO2 equivalente

 

Fonte: IPCC AR5 Synthesis Report (2014)

Ainda nem terminou, mas se houver interesse, continuamos em outros blogs. 

Diante desse quadro a pergunta inevitável: E Eu com isso?

Para mais informações, segue o site do IPCC: https://www.ipcc.ch/

Exibições: 356

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de Mario Sergio Alves de Godoy em 18 janeiro 2015 às 21:45

Já comentei em outras ocasiões alinhado com o Ibá dos Santos Silva: nas cidades (ambientes urbanos) estão as áreas mais valorizadas, mais poluidoras/consumidoras e menos "penalizadas" com as medidas de preservação ambiental. Particularmente, gostaria de uma avaliação de alguém mais pertinente sobre a tendência (opinião quase unânime por) de ilumimar e refrigerar o mundo... não teríamos que voltar a exigir construções mais termicamente planejadas (por exemplo, com paredes maciças e grandes janelas) e colocar inteligência na iluminação pública? Alguém concorda comigo de que um ambiente totalmente iluminado favorece mais o "bandido"?

Comentário de Gilberto Fugimoto em 11 janeiro 2015 às 16:08

Caro Ibá,

Será muito interessante vc compartilhar na Rede Agronomia o que for possível disponibilizar, especialmente os debates que estão ocorrendo em função do tema.

Desde já agradeço toda informação.

abração

Comentário de Ibá dos Santos Silva em 10 janeiro 2015 às 22:53

Olá Colegas Gilberto e Moisés Fernandes,

Como disse anteriormente, eu achei o Relatório do IPCC que havia recebido, está em espanhol. Mas o Relatório Principal são dois volumes (virtuais) que totalizam quase duas mil páginas, com ilustrações. O que o torna muito pesado.

Mas Gilberto, você tem razão, temos que analisar para saber com o poderemos fazer contra o aumento da temperatura do planeta na nossa parte de mundo. O CONFEA constituiu uma Comissão Temática de Meio Ambiente e promoverá discussões regionais. Conversando com o pessoal do MMA que compareceu a Lima, vimos que o Ministério procurará valorizar nossos serviços ambientais por sequestro de carbono, o CAR e PRA foram muitas vezes  citados.  A questão dos Recursos Hídricos também foi muito citado. Vou fazer chegar a você a cópia do Relatório do IPCC de 2014.

Comentário de Gilberto Fugimoto em 10 janeiro 2015 às 15:03

Olá José Carlos,

O Relatório também destaca a importância de agirmos agora para evitar situações irreversíveis no futuro.

Quem está disposto?

abração

Comentário de JOSÉ CARLOS CAMPANA VENDITTI em 9 janeiro 2015 às 20:04

É a falta de interesse em realmente dedicar-se a realizar mudanças, que sejam benéficas a vida no planeta terra a cada dia parece menos interessar ao ser humano.  

Comentário de Ibá dos Santos Silva em 8 janeiro 2015 às 12:30

Prezados Moisés Fernandes e Gilberto Fugimoto,

Compareci a COP 20, em Lima, no Peru, e estou fazendo um Relatório para o CONFEA. Tenho o texto do Relatório 2013 do IPCC, mas o texto só foi disponibilizado em Inglês. Gostaria até que o texto fosse traduzido para o Português, o que seria interessante para o entendimento de todos. Mas temos que entender que qualquer tradução, será uma tradução livre, pois o idioma para que todos possam não entender de modo diferente é um só, o inglês. Seria interessante traduzir. O texto está em anexo.

Um abraço de Ibá dos Santos Silva

Comentário de Gilberto Fugimoto em 6 janeiro 2015 às 14:28

Caro Ibá,

Tens razão. Além da ameça da mudança climática ainda destruímos recursos e ambientes com a poluição e o excesso de exploração.

Durma-se com um barulho desses!

abração

Comentário de Moisés Fernandes em 6 janeiro 2015 às 10:26

Caros, gostaria de ter acesso a relatório final completo?

Como consigo?

busquei na pag do ipcc mas não encontrei.

Alguém pode me encaminhar?

Obrigado.

Comentário de LUIZ DE MORAIS RÊGO FILHO em 6 janeiro 2015 às 9:44
Comentário de Ibá dos Santos Silva em 6 janeiro 2015 às 9:09

Faz-se necessário acrescentar que os oceanos têm uma capacidade de absorção de emissões. Dessa capacidade de absorção já foram utilizados 2/3, restando, portanto, somente um terço. E aí, restam um terço? NÃO. Os nossos oceanos podem nos oferecer também nossos alimentos e estão sendo transformados em uma calda de lixo e de restos plásticos. Os oceanos também são uma fonte de empregos sustentáveis, assim como nossas baías e mangues. Temos que refletir sobre isso. Mas não só refletir, agir com propostas e submetê-las ao interesse público.

Aqui no Rio de Janeiro a região dos Lagos foi fonte de abastecimento de sal e reaproveitamento sustentável de conchas, principalmente em Araruama. Temos que recuperar isso.

A água é outro elemento importante, para a absorção do carbono. A proposição brasileira na COP 20 de valorização das florestas como fonte de absorção de carbono passa pelo Cadastro Ambiental Rural, mas eu pergunto: e o Plano de Recuperação de Áreas? E os rios urbanos? E as cidades não têm dívidas ambientais?

Um abraço de Ibá.

© 2018   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo