Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Os próprios pobres rurais poderiam erradicar a sua pobreza, porém.........

Convido os colegas Engenheiros  Agrônomos a analisarem criticamente o seguinte livro que redigi por encargo da FAO-ONU com o título de Desenvolvimento agropecuário: da dependência ao protagonismo do agricultor. Ele foi elaborado com o propósito de demonstrar que os próprios produtores rurais poderiam e deveriam ser os principais protagonistas de uma agropecuária mais eficiente e competitiva, por mais escassos que sejam os seus recursos materiais e financeiros, por mais adversas que sejam as suas condições físico-produtivas e por mais inexpressivos que sejam os apoios financeiros dos seus governos. Poderão fazê-lo com a única condição de que sejam adequadamente formados, capacitados e organizados com objetivos econômicos e sociais ( e não político-ideológicos ) para que eles saibam evitar, corrigir e/ou eliminar as suas atuais ineficiências; porque elas são causadas fundamentalmente pela inadequação, insuficiência e obsolescência dos conhecimentos que possui a grande maioria dos produtores rurais.

Então, se a principal causa da pobreza rural está associada às evidentes debilidades educativas, as medidas para erradicá-la deverão ser assumidas pelas nossas instituições educativas (faculdades de educação/pedagogia, escolas fundamentais rurais, faculdades de ciências agrárias e serviços de extensão rural). Porque é nas suas debilidades e ineficiências que estão silenciosamente instaladas as causas mais profundas da pobreza e do subdesenvolvimento rural; por esta razão nelas deverão ser encontradas as soluções. Estas quatro instituições não podem continuar ignorando esta importantíssima causa da pobreza rural.

 Este livro que está disponível, em forma gratuita, no site www.polanlacki.com.br/agrobr foi tão generosamente acolhido pelos seus leitores que atualmente ele é mais conhecido com o seguinte título: O verdadeiro livro dos pobres rurais. Saudações  Polan Lacki  de Curitiba Fone ( 041 ) 3243-2366. 

Exibições: 248

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de Paulo ricardo Santos Cerqueira em 11 setembro 2016 às 23:53

Acredito que as demandas de assistência técnica são muitas e os recursos pequenos, acredito em formação de grupos de agricultores que identificando seus problemas e soluções dividam entre si as soluções que entre elas passam pela contratação de uma assistência técnica focada na resolução dos problemas locais e sistemas de produções específicos, se  possível assistência técnica de profissionais locais de filhos de agricultores.  Uma  experiência que indico é a da ESCOLA FAMÍLIA AGRICOLA .. 

Comentário de Paulo ricardo Santos Cerqueira em 11 setembro 2016 às 23:44
Comentário de Polan Lacki em 4 agosto 2016 às 17:37

Caro Colega Gilberto Fujimoto

Tal como você solicitou acabei de adicionar /postar o artigo numero 18

Um abraço do  Polan 

Comentário de Eduardo B. Teixeira Mendes em 8 julho 2016 às 1:12

Dr. Polan,

Parabéns por estar usando a rede para divulgar o seu trabalho desenvolvido, quando você estava na representação da FAO no Chile. Acompanho suas publicações desde quando o conheci, durante um debate sobre as diretrizes curriculares do Curso de Agronomia, que o senho participou em Piracicaba, acho que em 1997.

Sua colocações e também muitas ponderações feitas por outro grande pensador na formação dos engenheiros agrônomos, Dr. Valdo Cavalet, é de fundamental importância, principalmente nestes tempos em que muitos posts vem discutindo a formação e o exercício da profissão.

Comentário de Gilberto Fugimoto em 7 julho 2016 às 9:32

Ola Polan,

Gostei do seu texto 18. 

Se puder postá-lo na Rede Agronomia, podemos debater sobre ele!

abração

Comentário de Polan Lacki em 6 julho 2016 às 17:01

Caro Colega Mario Sergio 

Agradeço pelo seu interesse neste tema e em resposta à sua solicitação ( como iniciar as modificações através de uma estratégia viável e eficaz? ) sugiro ler o meu seguinte artigo : O que eu faria se voltasse a ser um extensionista. Este artigo você poderá obter clicando na seção ARTIGOS DO AUTOR do seguinte site: www.polanlacki.com.br  Este artigo tem o número 18.

Solicito confirmar se você conseguiu localizar e ler o artigo.

Saudações Polan 

Comentário de Polan Lacki em 6 julho 2016 às 16:39

Estimado Colega Gilberto Fugimoto

Agradeço pelo seu comentário e, com muito prazer, continuarei enviando outros mini artigos para a nossa Rede.

As suas observações e críticas serão bem-vindos.

Saudações  Polan  

Comentário de Mario Sergio Alves de Godoy em 5 julho 2016 às 11:01

POLAN LACKI,

estou lendo, mas me desculpe se não consigo ser um leitor rápido, pois somos assalariados (cumprimos horário) e, depois, tem 03 bebês (no meu caso é literal) esperando... hehehehehe.

estou lendo um artigo e um capítulo do Livro por vez... Muito legal. No fim, além de bem orientados (com a tática na prancheta), precisaríamos estar com uma estratégia... cada um deve começar como formiguinha no seu pequeno núcleo? Como influenciar na (re)organização da extensão rural? Como revalorizar esses assuntos nas universidades? Etc...

POLAN, pode adiantar como deveria ser uma estratégia viável? Tem algum Artigo ou Capítulo do Livro que eu poderia ler adiantado?

Comentário de Gilberto Fugimoto em 5 julho 2016 às 9:27

Ola Polan,

Estou lendo seu livro.

Parabéns pelo trabalho de pesquisa, muito cuidadoso!

Se possível, compartilhe alguns aspectos em futuras postagens.

Espero contribuir com algumas observações e debates.

abração

© 2018   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo