Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Os drones vieram para ficar e, entre as suas aplicações na agricultura estão a pulverização e a identificação de pragas, doenças, estresse e falhas no plantio. No cadastro ambiental rural - CAR, os drones podem ser usados para aumentar a resolução espacial (capacidade de se identificar objetos de pequeno tamanho na imagem aérea) nas pequenas propriedades. E por aí vai.

Essa tecnologia, apesar de recente, tem evoluído tanto que, até o planejamento de voo, em geral, é feito através de softwares. A montagem das fotos tiradas pelos drones, também dispõe de aplicativos (que podem ser encontrados no Google) para serem usados no ArcMap, QGIS e R, além das facilidades oferecidas por softwares como o Pix4D (que podem ser baixados para avaliação por 15 dias).

Sem me considerar um especialista no assunto, traduzi um texto que achei na Internet para mostrar o roteiro manual do planejamento de um voo, sem o auxílio de softwares. Trata-se de calcular quantas fotos são necessárias para cobrir uma área de 4 km² com uma câmera com distância focal de 152 mm.

Exibições: 312

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 6 novembro 2017 às 9:43

POR DENTRO DO DRONE

Depois de algumas leituras na Internet sobre drones, acho que já dá descrevê-los de forma simples. Acompanhe pela Figura abaixo.

Os drones são pequenos aviões manejados por controle remoto, que servem para o lazer, para tirar fotos, e dezenas de outras aplicações, militares inclusive. A energia que os move vem de motores à combustão e até a energia solar, embora a mais comum seja a de motores elétricos.

Como mostra a Figura 1 acima, o conjunto propulsor do drone (movido à eletricidade) tem, pelo menos, cinco elementos: bateria, controlador da velocidade, motor, engrenagem e hélice. Uma ou mais, com um detalhe curioso, se tiver mais de uma, a metade funciona girando no sentido horário, e as demais no sentido anti-horário, para aumentar o equilíbrio do aparelho.

Na concepção (de montagem) do drone, a primeira preocupação é com o uso que se pretende dele. Se for para acrobacias, precisa de motor mais potente. A segunda exigência mais séria é com o peso, o que se resolve com materiais leves, como madeira, alumínio, fibra de carbono e tamanhos (e pesos) reduzidos para as baterias e motores, principalmente. Quando usamos o drone na agricultura (aerofotogrametria), uma terceira preocupação é com a autonomia, ou tempo de voo, ditado pela bateria.

Num cálculo bem simples, imaginemos que num drone: a bateria pese 150 g, o controlador e receptor R/C 30 g, os motores (serão 4, num quadricóptero), engrenagens e hélices 200 g, o esqueleto da aeronave 150 g e uma câmera para fotos 50 g, totalizando 580 g. Por segurança, deve-se dobrar este número, para calcular a potência da bateria e do motor, ou seja, eles precisam levantar (literalmente) 580 g x 2 = 1.160 g. Como são 4 motores, cada qual deverá ter capacidade para movimentar 1.160 g ÷ 4 = 290 g/motor. Arredonda-se para 300 g.

Agora consultamos a tabela de um fabricante de motores para escolher aquele que forneça o empuxo (força) necessário para levantar 300 g ou mais. A Figura 2 abaixo mostra o resultado.

Figura 2 - Seleção do Motor

Selecionamos o do meio, pois seu empuxo (thrust) de 310 g supera o valor calculado. De sobra, nos indica que precisaremos de uma bateria de 12 Volts, uma hélice de fibra de carbono de 5 polegadas de diâmetro e 3 polegadas passo, uma corrente elétrica de 7,5 Amperes, potência de 90 Watts, eficiência de 3,4 g/W e velocidade de 20.100 rotações por minuto.

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 3 novembro 2017 às 13:53

OBS.

Para quem não sabe, a marca (de drones) PHANTOM a que o vídeo se refere desde o início, é aquela da foto que mostrei aí em baixo, com o logotipo da Embrapa.

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 3 novembro 2017 às 8:10

AEROLEVANTAMENTOS COM DRONES

(Vídeo da GeoEduc)

https://youtu.be/ZPdWgMZ5WEc

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 3 novembro 2017 às 6:45

CÁLCULO DA AUTONOMIA DE VOO DE UM DRONE

Transcrevo na planilha abaixo o cálculo efetuado pela empresa EletronPi (*). A diferença no resultado, deve-se a arredondamentos.

(*)http://www.eletronpi.com.br/pd04-autonomia-de-drone.aspx

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 2 novembro 2017 às 16:05
Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 2 novembro 2017 às 15:12

EMBRAPA E QUALCOMM QUEREM VIABILIZAR USO DE DRONES NO CAMPO

http://meiobit.com/346979/embrapa-qualcomm-parceria-uso-drones-agri...

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 2 novembro 2017 às 14:20

ORIENTAÇÕES PARA USUÁRIOS DE DRONES (ANAC)

http://www.anac.gov.br/assuntos/paginas-tematicas/drones/orientacoe...

(Cartilha)

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 1 novembro 2017 às 15:07

DRONES NA TOPOGRAFIA E AGRIMENSURA

http://mundogeo.com/blog/2017/11/01/drones-na-topografia-e-agrimens...

(boa leitura)

© 2018   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

Offline

Vídeo ao vivo