Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Ponto de vista!!! Agronomia a profissão do Presente.

Sempre vejo estudantes perguntarem o que é Agronomia, se é um curso fácil e qual sua área de atuação. Falam que é a profissão do futuro e  que o  mercado é promissor. Bem!!!!!

Agronomia foi uma profissão concebida pelos anseios da sociedade para a profissionalização do setor produtivo direcionado a produção de alimentos de origem animal, vegetal, fibras e demais ‘’frutos’’’ do conhecimento agrícola..

O curso é e deve ser de formação ampla com visão holística das atividades relacionadas ao campo, atualmente ultrapassado as fronteiras do meio rural estando presente onde o alimento for. Do campo à bolsa de valores. Da agricultura familiar a mais sofisticada empresa, o profissional especialista em produção vegetal, produção animal, engenharia rural, fibras e energia encontra-se presente.

Sua regulamentação e atribuições encontram-se no marco agronômico DECRETO 23. 196/1933 com suas atribuições vivas e definidas e que deve ser o norteador para a formação nas academias e o pleno exercício profissional. E com o DECRETO LEI 9.585/1946 que definiu de forma bem clara ‘’Concede o titulo de Engenheiro Agrônomo aos diplomados por estabelecimento de ensino superior de Agronomia. Portanto se querem atuar no campo e na cidade produzindo e atuando na área de alimentos, energia e fibras faça Agronomia, porque essa é a profissão que mais contribuiu e contribui para o setor agropecuário. Por isso digo que mais que  a profissão do futuro ela é e deve ser  a profissão do presente, com uma vasta área de atuação  possibilitando ao profissional a construção de sua especialidade. Cabe por fim a cada profissional e estudante  contribuir para que nossa profissão continue a construir nas diferentes áreas agronômicas o conhecimento e suas aplicações práticas para o crescimento da nação.

Viva a Agronomia, e vamos defendela.

Fonte: http://normativos.confea.org.br/downloads/9585-46.pdf

http://www.fca.unesp.br/Home/Graduacao/23196-33.pdf

Francisco Lira

Engenheiro Agrônomo CREA-PI 18222

Diretor

Associação de Engenheiros Agrônomos do Piauí AEAPI

 

Exibições: 3184

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de Eduardo B. Teixeira Mendes em 6 junho 2016 às 23:24

Concordo com ambos sobre a formação eclética do engenheiro agrônomo. Por experiência própria.... se eu fosse pensar somente em especialização eu já teria perdido muitas oportunidades de trabalho.

Comentário de Francisco Lira em 6 junho 2016 às 15:44

Com certeza Gilberto, faz-se necessário a retomada do espírito associativista, hoje em dia algo cada vez mais raro em uma sociedade cada dia mais individualista, mas é preciso mudar nosso jeito de ver a profissão. Ou construimos uma nova Agronomia, efetivamente participativa, se aproximando de nossas associações, se filiando e contribuindo ao movimento em defesa e valorização profissional ou então continuaremos na mesma.

Comentário de Gilberto Fugimoto em 15 fevereiro 2016 às 9:30

Há muito a ser feito: vários ataques a Agronomia não param de surgir e vejo com bons olhos a iniciativa do Francisco reafirmando a formação eclética do E.A.

Para enfrentamento dos ataques há várias trabalhos de defesa, mas para isso é preciso participação dos colegas nas entidades representativas!

Comentário de Francisco Lira em 15 fevereiro 2016 às 8:47

Concordo com você Eduardo, infelizmente vejo poucas entidades fazendo isso, o jeito então e chamar os profissionais a maior participação e que nossas associações sejam mais ativas e comandadas digamos assim por pessoas éticas e com vontade de deixar um trabalho verdadeiro em defesa e valorização da agronomia. essa minha postagem visa mostrar também aos futuros profissional de modo visual que agronomia não é apenas fitotecnia, espero começar em breve também a expandir isso na escola via AEAPI.

Comentário de Eduardo B. Teixeira Mendes em 15 fevereiro 2016 às 1:31

Francisco

O que é necessário é um trabalho de defesa da profissão para a população em geral.... Isso, em minha visão deveria ser feito pelas associações de engenheiros agrônomos. 

Buscar espaço na mídia, ocupar fóruns institucionais, etc. E isso é necessário ser feito de modo profissional, através de boas assessorias de mídia e comunicação.

Acho que esse é um caminho.

© 2021   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço