Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Produção Orgânica X Demais Sistemas: Antagonismo Desnecessário

                                     
  Por Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS
)


A maneira como a agricultura orgânica foi apresentada no Globo Repórter, da última sexta-feira (14), não contribuiu para esclarecer ou ajudar a população a se alimentar melhor. Foi uma apologia ao orgânico e uma agressão aos outros sistemas de produção, que utilizam insumos modernos, como fertilizantes e defensivos, e responsável por alimentar cerca de 95% da população do mundo.

Os milhões de produtores rurais que não são orgânicos, verdadeiros herois da sociedade cada vez mais urbana, foram discriminados pela reportagem. São trabalhadores que se dedicam a produzir os alimentos preferidos pelos moradores das grandes cidades, que não têm ideia das dificuldades enfrentadas neste processo. Entre elas estão as pragas e a qualidade dos solos. Sem fertilizantes, o cerrado brasileiro, hoje o grande produtor de alimentos, energia e fibras do Brasil, não estaria na posição de ser admirado por todo o mundo. O Prêmio Nobel da Paz, Norman Borlaug, declarou que a transformação do cerrado brasileiro em polo de produção foi tão importante quanto à revolução verde, principal justificativa para ser o ganhador de uma das láureas mais reconhecidas do mundo. Sem defensivos, a produção agrícola seria reduzida em, pelo menos 50%, além de exigir muito mais trabalho pesado dos produtores rurais.

Os produtores de hortaliças, por exemplo, estão, cada vez mais, buscando o equilíbrio, para usar defensivos apenas quando forem necessários. O sistema de cultivo na palhada é uma tecnologia que vem sendo adotada, reduzindo a utilização de herbicidas. Importante esclarecer que muitos extratos utilizados com a melhor das intenções, podem ser mais tóxicos que defensivos comerciais, como é o caso de calda de fumo. Nem tudo que é natural, é seguro. Existem várias plantas tóxicas.

 
A edição deste Globo Repórter  mostrou aspectos positivos como o valor dos agricultores, a necessidade de utilizar maior número de espécies vegetais e o seu melhor aproveitamento, reduzindo o desperdício. Mas  toda reportagem deve ser equilibrada, mostrando  as diferentes  visões de um tema. É importante respeitar a liberdade de escolha do consumidor, que considera qualidade e preço, e que espera ser bem informado.  Lamentavelmente, faltou, neste Globo Repórter, a visão de quem cultiva e se alimenta de produtos não-orgânicos, da mesma forma saudáveis.

 

Sobre o CCAS

O Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça.

Mais informações no website: http://agriculturasustentavel.org.br/.

Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel

Exibições: 132

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de Jose Luiz M Garcia em 27 agosto 2015 às 23:17

O que mais me chamou a atenção na matéria do Globo Repórter, é que dois Agrônomos se recusaram a servir de vendedores de insumos e de venenos e se rebelaram contra todo um sistema que procura reservar ao Agrônomo um papel de co-adjuvante da agricultura quimicalizada e se tornaram protagonistas sendo , portanto, Agrônomos com "A "maiúsculo.

Esses dois colegas merecem, portanto, todo o nosso apoio, respeito e toda a nossa admiração.

Aí vem uma ONG de arrumação que , tenho certeza é bancada por multinacionais e que dá emprego para profissionais invertebrados e/ou lacaios em fim de carreira, para tentar enquadra-los.

Quem essa gente pensa que está enganando ?

É dinheiro mesmo. É grana. É profissional em fim de carreira defendendo uma boquinha desde que tenham que se curvar as empresas de agroquímicos.

Comentário de MARIA ELDIANE PINHEIRO VALES em 27 agosto 2015 às 14:41
É ta difícil, cada vez mais pessoas so pensam em dinheiro, amor a profissão ta difícil....
Comentário de Jose Luiz M Garcia em 26 agosto 2015 às 1:10

O que faz uma ONG pretensamente auto-denominada de Conselho e que se auto denomina "Científico" e ainda por cima para a "Agricultura Sustentável" ?

Que bando de oportunistas! Que bando de golpistas são vocês ! Vocês deveriam se envergonhar por tamanha cara-de-pau.

A um só tempo essa ONG se apoderou da Agricultura Sustentável e por se auto denominar "científica" se arvora no direito de dizer o que é certo e o que é errado.

Caso os Srs. ainda não saibam como se chama esse tipo de atitude, eu que lutei pelo menos contra duas ditaduras, a militar e agora a bolivariana do PT, posso lhe informar. Chama-se exatamente : DITADURA da INFORMAÇÃO.

Quem vocês pensam que estão enganando ? Quem, em sã consciência, acreditaria numa meia verdade como essa ?

Por acaso não foram as mesmas pessoas que lhe custeiam esse papel ridículo de Ditadores da Informação que também custearam a matéria paga das páginas amarelas da Revista Veja dessa semana ?

Essa sua descabida defesa de agricultores que degradam o meio ambiente retirou definitivamente o véu que lhes cobria a face. Agora já sabemos para quem vocês trabalham. Deram muita bandeira. Aonde está o cientificismo e a auto-sustentabilidade dessa vossa afirmação ?

Tomem vergonha na cara e deixem de achar que tomo mundo é trouxa. Ninguém mais é otário hoje em dia.

O poder emana do povo e em seu nome deve ser exercido. O poder não emana da Universidades e nem de Institutos de Pesquisa. Aliás todo mundo hoje já sabe como as mega empresas que tem orçamento superior ao de vários países fazem para cooptar professores e pesquisadores.

Não me venham com esse papo de Norman Borlang. A Revolução somente foi verde para a industria de fertilizantes. O uso de fertilizantes tem aumentado enquanto que a produção agrícola não está aumentando nessa mesma proporção. Faça uma visita aos locais onde o Borlang implantou a sua revolução verde no México e veja o rastro de poluição e miséria que ele deixou.

Leiam meu artigo : O Alto Custo de um Sistema Agrícola Falido. A agricultura convencional quimicalizada e suicida é um modelo esgotado que polui rios, lagos, lençóis freáticos, oceanos e até as pessoas.

Por acaso os Srs. não sabem que hoje em dia qualquer pessoa tem resíduo de glifosato no sangue ? Que, mães estão amamentando seus filhos com leite com resíduo de glifosato?

Que papo é esse de redução de herbicidas quando se sabe que o consumo de glifosato aumenta de ano a ano

principalmente nesse sistema de plantio na palhada. Faltou vocês mencionarem que o plantio é na palhada morta pelo glifosato.

Quem vocês pensam que estão enganando ? Que cientificismo existe, se algum, nessas suas palavras ?

Que heróis são esses que envenenam o meio ambiente com glifosato e demais agrotóxicos que o Sr não teria coragem nem de chegar perto. V.Sa. demonstrou uma tremenda ignorância ao mencionar a "calda de fumo". Gostaria de lhe informar que esse tipo de tratamento é proibido pelas normas orgânicas. Podia ter ficado sem essa, não podia ? Da próxima vez arrume argumento melhor.

Esse pretenso "conselho científico" deveria ter escolhido um escritor melhor. O texto é apócrifo. Que vergonha ! Anonimato não é nem um pouco científico.

Como quem escreveu esse texto não se identificou eu não posso desafia-lo para um debate público e aberto, mas pelo texto mal escrito e repleto de falsas informações já dá para ver que se trata de alguém em fim de carreira defendendo "uma boquinha" paga por algum pool de mega empresas do setor agroquímico.

Espero que o seu patrão leia esse comentário e lhe meta um pé na bunda por que V.Sa. está aquém de um desempenho considerado medíocre. Eu, se fosse CEO de alguma empresa do ramo agroquímico não iria admitir tamanha incompetência como esse texto fraco acima.

Escreva. Identifique-se para que eu possa desmascara-lo publicamente expondo a sua ignorância, o seu preconceito e quem sabe até as suas ligações inconfessáveis com a industria agroquímica.

Nesse meio tempo, leia mais e estude um pouco mais se quiser se manter informado. O artigo mencionado acima já seria um bom começo.

Atenciosamente

Jose Luiz M Garcia

© 2021   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço