Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Por Coriolano Xavier, Vice-Presidente de Comunicação do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM. 

No Canadá, o chefe de governo eleito no final de 2015 (J. Trudeau) está oxigenando a administração pública. A começar por um critério macro, promessa de campanha já cumprida após a posse, que previa mulheres ocupando 15 dos 30 ministérios. Perguntado sobre o porquê de um gabinete igualitário entre gêneros, respondeu: “Porque é 2015”. Século XXI.

No gabinete canadense, a gestão ambiental posicionou-se com um novo conceito perante a sociedade: mudou de Ministério do Meio-Ambiente para Ministério do Meio Ambiente e Mudança Climática, fazendo um alinhamento automático e de responsabilidade explícita com uma questão ambiental primordial, da atualidade.

A contemporaneidade do gabinete canadense também está no tratamento prioritário reservado à ciência que – junto com a democracia – será pilar estratégico para atravessarmos com sucesso este século e seu dinâmico mundo.

Para isso, o governo canadense criou um Ministério da Ciência e lá colocou um cientista de renome, aparentemente com a tarefa de fomentar ciência pura e pesquisas de interesse público em áreas que no momento estão recebendo pouca atenção do capital privado.

Até então, a gestão de Estado para a ciência como um todo, estava alocada no Ministério da Indústria, Ciência e Desenvolvimento Econômico, que conserva um papel de gestão científica, mas agora com foco no estímulo da inovação tecnológica no setor privado. 

Ou seja: criou-se uma nova estrutura para incentivar a ciência pura e um foco renovado para estimular a evolução tecnológica na economia real – do chão da fábrica à amplitude dos campos.  Coisa um pouco diferente do que acontece aqui em nossas paragens tropicais, onde a gestão de Estado para a ciência anda meio cabisbaixa.

Não é que esse modelo caia como uma luva aqui no Brasil. Talvez sim, talvez não, é preciso estudar, pois temos realidades, exigências e anseios diferentes.  No entanto, o importante é que, por trás da proposta canadense, parece haver um pensamento estratégico e um propósito claro de alavancagem científica e de inovação.Powering science, todo poder à ciência, como palavra de ordem.

À primeira vista, isso pode parecer meio distante para empreendedores e lideranças do nosso agronegócio. Mas basta lembrar o papel que a pesquisa agropecuária teve no progresso do nosso agronegócio, dos anos 1970 para cá, para ver que ciência tem tudo a ver com o futuro que queremos ter na produção de alimentos, fibras e energia renovável.

Nossos cientistas – integrados à ciência e tecnologia internacional – são os potencializadores de nosso agro. Já fizeram um trabalho heroico no passado, continuam a ser referência de excelência científica nos trópicos e certamente passa por eles um porvir de liderança internacional para o agronegócio brasileiro. Vamos cultivar aciência e os cientistas do agro. Sem eles, não há futuro.

Sobre o CCAS

O Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça. Mais informações no website: http://agriculturasustentavel.org.br/. Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel

 

Exibições: 98

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

© 2021   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço