Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

USO DA CARTA SOLAR NO BALNEÁRIO CAMBORIÚ, A DUBAI BRASILEIRA

Na Pesquisa EMPORIS (2015), a cidade de Balneário Camboriú - SC aparece em segundo lugar no ranking das cidades mais verticalizadas do país, atrás apenas de Santos (SP), e no mundo sua posição é a 99ª cidade com mais prédios.

Os edifícios mais altos do Brasil não estão sendo construídos nas grandes metrópoles como São Paulo ou Rio de Janeiro, mas também no Balneário Camboriú. O edifício Millenium Palace, já inaugurado, tem 186 metros de altura, e a cidade assiste à construção de mais dois edifícios, Infinity Coast e Yatchouse, de 240 e 275 metros de altura, respectivamente. Como comparação, o Mirante do Vale, edifício mais alto de São Paulo, mede “apenas” 170 metros.

A Figura abaixo mostra a localização do Balneário de Camboriú, no litoral de Santa Catarina.

As características socioeconômicas de Balneário Camboriú abrangem 46,2 km² de área, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2016), e possui uma população estimada em 2016 de 131.727 habitantes, com densidade demográfica de 2.338 hab/km². Além desses dados, cabe ressaltar que a população flutuante, registrada nos meses de alta temporada triplica, podendo chegar a cerca de 1 (hum) milhão de pessoas durante o verão.

Essa nova característica, que deu à cidade do litoral de Santa Catarina o apelido de “Dubai brasileira”, tem sido alvo de controvérsias. Em Janeiro, o Fantástico fez uma reportagem sobre a sombra projetada pelos grandes edifícios na praia, praticamente bloqueando o sol para banhistas a partir do início da tarde. (1)

Os arranha-céus se multiplicam pela cidade e roubam o sol da faixa de areia: a partir de 14 h, a sombra começa a se espalhar sobre a Avenida Atlântica, onde estão os maiores edifícios.

Apesar do Balneário não possuir limite de altura para suas construções em algumas regiões, o Coeficiente de Aproveitamento, ou seja, quanta área pode se construir em um determinado terreno, não é ilimitado nem destoa tanto de outras cidades do país.

Para sanar este problema e a fim de promover a reestruturação costeira e a recuperação da vegetação de restinga, a Prefeitura começou em 16.03.2021 a alargar a praia, dos atuais 25 m para 70 m, numa obra de R$ 67 milhões.

A Figura abaixo mostra o andamento dos serviços de alargamento da praia, previstos para serem concluídos no fim deste ano.

Para isto, escolheram-se como recortes de estudo, denominado neste contexto, como área-teste, permeando as Avenida Atlântica e Avenida Brasil, e as ruas 2200, 2300, 2400, 2480, 2414 e 2412, onde a construção civil foi mais atuante entre o período de 2010 à 2017. A expansão do mercado imobiliário, nos recortes espaciais de estudo, se intensificou a partir dos anos 2008 - também o recorte temporal desta pesquisa - e, apesar de já ser conhecida pela histórica verticalidade de seu skyline, foi a partir desta época que a cidade de Balneário Camboriú passou a receber prédios ainda mais altos, ultrapassando os 40 andares, hoje em construção prédios acima de 60 andares, e a focar nesta verticalidade como marketing para o mercado imobiliário de alto padrão, entrando em rankings nacionais, sul-americanos e até mundiais dos arranha-céus mais altos. (3)

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE (2017), o Brasil conta com 3 (três) cidades entre as 25 (vinte de cindo) mais verticais do mundo, sendo 2 (duas) delas Catarinense. Ainda conforme o IBGE, das 10 (dez) cidades brasileiras mais verticalizadas do país está em Santa Catarina.

De acordo com o Museu de Imagem e Som de Balneário Camboriú, a pequena região central da cidade e principalmente a Avenida Atlântica começaram a receber empreendimentos imobiliários com edifícios residenciais de grandes proporções. A partir dos anos 1980, com um movimento de verticalização, essa tendência se intensificou ainda mais, com o surgimento dos primeiros arranha céus, como o tradicional edifício Imperatriz, na Avenida Atlântica, imponente com 30 andares. Um arranha-céu é definido como uma estrutura de pelo menos 35 metros ou 12 andares de altura.

Estudo do sombreamento dado pelos edifícios

Para mostrar o comprimento do sombreamento na orla, foi necessário configurar o CityEngine adicionando a posição do sol, configuramos quando entra no solstício de verão, 21 de dezembro de 2017, pois nesta época do ano o sol encontra-se mais próximo dos trópicos de Capricórnio, mais próximo da terra, e mais perto do município estudado. Foram escolhidos quatro horários de sol, 14h, 15h, 17h e 19h para realizar a avaliação do modelo de impacto, conforme mostra a figura 58. Às 17h o sombreamento, é discretamente maior em 2010, com 23,66m de comprimento. Percebe-se que o horário em que o sol esta se pondo, às 19h, ficando atrás das edificações, causa um sombreamento muito maior na orla, chegando a 89,86 metros de comprimento. Ás 15h, o sombreamento do maior edifício construído na Avenida Atlântica, o Millenium Palace, com 177,3 metros de altura e 46 pavimentos chega à beira mar, escurecendo a faixa de areia. Ás 17h, o sombreamento do maior edifício construído na Avenida Atlântica, o Millenium Palace, chega à beira mar, mas como todas as demais edificações as quais estão acima do permitido pelos parâmetros urbanísticos, chegam ao mar escurecendo completamente a orla. (3)

A maioria dos edifícios respeita a altura máxima de 20 pavimentos, ou cerca de 60 m.

Uma imagem do Google Earth tirada da parte central da praia do Balneário de Camboriú, serve para mostrar (segmento de reta de cor amarela) o equivalente a 100 m de areia e, ao mesmo tempo, para aferir a inclinação em relação ao Norte verdadeiro.

Utilizando a Carta Solar (software Analysis Sol-Ar) para o Balneário de Camboriú - SC (latitude 26º56’), observa-se que no dia 22 de Dezembro, a partir do meio dia (ou 12 h) a sombra já começa a aparecer, quando o ângulo de altura do sol é apenas de 10 graus (às 6 hs da manhã era de 80 graus).

A Figura abaixo mostra a sombra provocada por um edifício com 60 m de altura (gabarito do Balneário de Camboriú). Os ângulos de incidência dos raios solares (mostrados na Figura abaixo) são obtidos na Carta Solar, a partir do encontro de 3 linhas: a da hora (em azul), do dia do mês (cor preta) e a do ângulo do sol (linha cinza tracejada); desde que pertençam ao meio círculo com linhas de cor vermelha, cuja base faz com a horizontal (sentido Leste-Oeste), o ângulo correspondente ao Azimute da face do objeto a ser analisado.

Se algum colega questionar o por que de um texto sobre Arquitetura e Urbanismo num site que deveria tratar só de Agronomia, eu lembro que o estudo de sombras com a Carta Solar, como já mostrei nos blogs sobre Armazém e Aviário, tem ampla aplicação, e pode ser usada na instalação de painéis fotovoltaicos, sombra para o gado no sistema Agricultura-Lavoura-Pecuária e muitos outros.

 

 

REF.:

[1] Balneário Camboriú: sucesso ou catástrofe urbana?, Caosplanejado.com.

https://caosplanejado.com/balneario-camboriu-sucesso-ou-catastrofe-...

[2] O Globo

https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2021/08/31/veja-resp...

[3] GEODESIGN COMO TEORIA DE PLANEJAMENTO: A VERTICALIZAÇÃO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ – SC, Tatiana de Aguiar, UDESC, Florianópolis – SC, 2017.

https://sistemabu.udesc.br/pergamumweb/vinculos/000041/0000412a.pdf

Exibições: 504

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 8 novembro 2021 às 18:54

POR DO SOL NA CARTA SOLAR

É possível através de uma simples foto do por do sol em determinado lugar, estimar através da Carta Solar, o dia e até a hora em que foi feito o flagrante. De início, mede-se com o software ImageJ o comprimento da sombra de objeto ou pessoa que esteja em primeiro plano. A partir daí, a régua do menu mede com precisão o tamanho da sombra. No nosso caso, a sombra da moça resultou em 1,10 m, embora saibamos que foi um pouco mais, porque a foto não permitiu ver-se a sombra do topo da cabeça.

Em seguida, com o software Analysis SOL-AR, carrega-se a Carta Solar do local da foto, no caso a cidade do Rio de Janeiro – RJ. Como se tratava de um por-do-sol, a foto deve ter sido tirada na parte da tarde e, por isso, definiu-se a orientação de 180 graus (vide a janela Orientação na Figura abaixo).

Recortamos do Google Earth a Pedra da Gávea, que aparece na linha do horizonte e pouco à esquerda de onde o sol está se pondo. Quem tirou a foto deveria estar a algumas centenas de metros à direita da Pedra da Gávea, atrás da qual o sol se pôs nesse dia.

Tomou-se como referência o Solstício de Inverno, ou o dia 22 de Dezembro, para as leituras da Carta Solar. Anotamos os ângulos do sol nas 4 últimas horas do dia e traçamos segmentos de retas que representam os raios de sol e que projetaram as sombras medidas na foto.

Num papel milimetrado estimamos o comprimento da sombra em cada um desses momentos, e consideramos que a hora da foto deveria ser aquela em que a sombra medida coincidiu com a distância do gráfico, que foi 1,50 m, quando o ângulo do sol era de 40 graus, o que ocorreu pouco depois das 15 horas.

Bom proveito.

© 2021   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço