Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

No artigo A educação é um trabalho que precisa ser feito em equipe, de Paula Ferreira (O Globo, 6.7.2019, caderno Economia/Sociedade, pág. 25), o Professor Peter Tabichi, queniano vencedor do prêmio 'Nobel da Educação' e considerado o melhor docente do mundo, ao ser perguntado que tipo de práticas implementou na sua escola, respondeu:

Tento integrar a tecnologia o máximo que posso em minhas aulas, e uso tecnologias de baixo custo para ajudar os alunos a visualizar conceitos científicos. Tento me certificar de que aprendam uns com os outros para incentivar a colaboração e o trabalho em equipe. (O grifo é meu).

Longe de querer comparar a qualidade do meu ensino na UFRRJ (nas décadas de 90 e 2000) à do ganhador do Nobel, eu também aprendi que se aprende (mais), fazendo, e que um bom roteiro (passo a passo) ajuda muito na elaboração de projetos. Assim, em quase todas as minhas apostilhas (e foram mais de dez), sempre havia um exemplo numérico para a solução dos problemas.

Todo esse bla-bla-blá foi só pra dizer que eu descobri por acaso um 'tesouro' no Google (ao pesquisar sobre plugins do QGIS): o complemento QEsg, que elabora os cálculos, desenhos e planilhas necessários ao dimensionamento hidráulico de uma rede coletora de esgotos sanitários. Pensei então que a sua divulgação entre os colegas, pudesse estimulá-los a (im) 'plantar' coletores, seja para complementação da renda ou como extensão de seus conhecimentos de Hidráulica.

Algumas informações sobre o plugin QEsg

QEsg é um complemento desenvolvido para o software Qgis com o objetivo de auxiliar no projeto de redes de esgotamento sanitário.

O plugin se utiliza das facilidades e recursos inerentes a um ambiente SIG (Sistema de Informações geográficas) para apoiar a organização, desenvolvimento, dimensionamento e apresentação final do projeto de uma rede de esgoto. A Figura abaixo mostra, no menu do complemento e na janela em cortina com fundo amarelo, alguns dos seus recursos.

A Figura abaixo mostra o Menu de Configurações.

A Figura abaixo é um pequeno exemplo de rede usada no tutorial do link em referência.

Tutorial do QEsg

https://github.com/jorgealmerio/QEsg

CONCLUSÃO

É óbvio que sem noções básicas de hidráulica, saneamento e estudos prévios (população a ser abastecida, topografia e Normas Técnicas da ABNT, entre outros), o plugin não é uma varinha de condão que com alguns cliques vai elaborar um projeto de esgotos. Por outro lado, softwares livres (gratuitos) como o QGIS3.4, tem habilidades para elaborar mapas em escala, traçar as curvas de nível e (com a ajuda do QEsg) elaborar o projeto de esgotos.

NOTA: Esse é o segundo convite que faço aqui na Rede Agronomia; o primeiro foi em Embarque nessa Plataforma, no endereço abaixo:

http://agronomos.ning.com/profiles/blogs/embarque-nessa-plataforma

E aí, vamos (im)'plantar' coletores, pessoal ?

Exibições: 138

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 10 julho 2019 às 16:10

ROTEIRO PARA USO DO PLUGIN QESG DO QGIS 3.4

(Rede de esgotos ao Norte da Ilha de Paquetá, Rio - RJ)

Após carregar o complemento Qesg, alguns dos seus recursos são mostrados ao clicarmos no menu Complementos, como pode ser visto na Figura abaixo. No menu da direita, ao clicarmos em Ajuda, teremos à disposição o Manual que já mostrei no post anterior.

1) Configurar as Coordenadas Geográficas do Projeto: Projeto > Propriedades > SRC > SIRGAS 2000.

2) Carregar o mapa de ruas: Web > QuickMapServices > OSM > OpenStreetMap monochrome.

3) Carregar o mapa do Município: C:/QGIS/RioDeJaneiro/capital.shp. Clicar (botão direito) na camada e Aproximar para camada. Dar um zoom para o Norte da Ilha de Paquetá.

4) Criar um shapefile (tipo Linha) para os dados dos ramais. Vide Figura abaixo. Na janela de baixo (Fields List) foi deletada a linha (Remove Field) correspondente ao ID. As Coordenadas devem ser UTM.

5) Habilitar o plugin QESG e clicar no botão 00 Configurações, indicando o nome da rede e digitando os números da população inicial e final e dando OK. As populações inicial e final não são verdadeiras; foram estimadas por mim, só para efeito do tutorial. Um único ramal também foi escolha estratégica, para simplificar o exemplo.

6) Clicar no botão 01 Verificar os  Campos do plugin. Surge a opção da criação automática dos campos da Tabela de Atributos. Clica-se Yes (Sim).

7) Iniciar o traçado da rede de coletores. Alternar edição (logo do lápis) >  Add Line Feature > Segue-se o traçado dos coletores, do ponto mais alto para o mais baixo (sentido do fluxo), dando-se um clique em cada futuro PV (nos cruzamentos de ruas e mudanças de direção) e, para terminar, clica-se com o botão direito. É mostrada a janela abaixo. Digita-se 1 em RAMAIS e clica-se no botão OK > Salvar edições na camada > Alternar edição.

Na camada ramais (bt.direito) > Propriedades > Simbologia > Linha simples > Cor: azul e Largura do traço: 0,46 mm > Apply > OK. O resultado é mostrado abaixo.

8) Clicar no botão 02 Numerar Rede do QEsg. A cor da linha muda para amarelo e surge a opção abaixo. Clica-se Yes.

Surge uma aba à direita da tela, onde devemos verificar se em Coletor está 1, No. de Dígitos: 1, Somente trechos sem Identificação (marcado) e Ordem dos PVs de Jusante para Montante também marcado. Digita-se como Prefixo do PV: 1 e clica-se no botão Novo Coletor e depois em Renomear.

Salvar edições na camada e Alternar edição. O layout muda para o mostrado na Figura abaixo.

9) Clicar no botão 03 Criar Layer de Nós. Salvar o layer de nós como: C:/QGIS/nos.shp. Abrir a Tabela de Atributos de nós, Alternar edição e digitar o nome dado aos trechos e os valores de cota do terreno, partindo de jusante para montante, como mostrado abaixo. Salvar alterações e Alternar modo de edição.

10) Clicar no botão 04 Preenche os campos. Se os campos tiverem sido preenchidos corretamente, um aviso nesse sentido será mostrado.

11) Clicar no botão 05 Calcula vazão. Surge um alerta para identificar "os ponta seca", ao mesmo tempo que aparece em destaque na tela o trecho final e, na coluna correspondente (PONTA_SECA), substitui-se o N por S. Observe que no trecho 1-1 e ao lado do PV 1 aparece um tracinho no início do coletor, indicando que esse poço não recebe efluentes de outros ramais.

12) Botão 05 Calcula Vazão. Ao clicar neste botão (se não for indicada Ponta Seca) os fluxos acumulados ao longo de toda a rede serão calculados, e os resultados serão salvos em arquivo. A simbologia é alterada para mostrar o Nome, Comprimento, Diâmetro e Vazão de cada trecho. Na Tabela de Atributos, se houver valores nulos nos campos das vazões iniciais e finais, estas deverão ser preenchidas com zero. O resultado está no mapa abaixo.

13)  Botão 06 Dimensiona. Ao clicar neste botão, todos os trechos da rede serão calculados. A nova simbologia mostrará: Nome, Extensão, Diâmetro nominal e Declividade dos trechos. Todos estes dados estarão na Tabela de Atributos, que poderá ser exportada como uma Planilha Excel.

14) - Botão 07 Desenha perfil. Ao clicar neste botão uma janela flutuante pede para Selecionar o Coletor. Fazendo isso e clicando-se no botão OK, surgira outra janela com o traçado do perfil do mesmo. O resultado está mostrado nas Figuras abaixo.

Uma montagem com todos os 4 coletores numa só Figura é mostrada abaixo.

Uma última informação, que não consta do Manual, mas que vi num tutorial do Qwater. Para modificar um campo/dados da Tabela de Atributos dos condutores, podemos utilizar a Calculadora geográfica, como é mostrado na Figura abaixo.

Um exemplo de modificação da Tabela de Atributos com a Calculadora de campo é mostrado na Figura baixo. Como resultado, a palavra 'teste' foi repetida nos quatro coletores.

Ufa. Terminou.

Bom proveito.

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 6 julho 2019 às 19:51

UTILIZAÇÃO DO SIMULADOR HIDRÁULICO QESG NO BAIRRO DE SÃO JOÃO DO OUTEIRO – BELÉM/PA

Fonte:

http://periodicos.unincor.br/index.php/revistaunincor/article/view/...

ou:

5146-10953306-1-PB.pdf

Comentário de JOSÉ LUIZ VIANA DO COUTO em 6 julho 2019 às 11:57

ESGOTO EM PAQUETÁ

A Figura abaixo é um exemplo de como o QGIS facilita a elaboração de um projeto hidráulico para a implantação de ramais de esgoto.

Basta carregar o arquivo vetorial (shapefile) do contorno da área do projeto (no caso, o do Município do Rio de Janeiro, fornecido pelo IBGE) e, em seguida, acrescentar o mapa de ruas, com os seguintes comandos (QGIS 3.4):

Web > QuickMapServices > OSM > OpenStreetMap monochrome

Lembrando que OSM são as iniciais de Open Street Map (mapa gratuito de ruas) e Web é um comando da barra de menus do QGIS 3.4. Além das ruas e seus nomes, o mapa apresenta os pontos mais elevados do terreno (como os 33 m do Morro do Castelo, no extremo Leste da Ilha de Paquetá, localizada na Bahia de Guanabara do Município do Rio de Janeiro - RJ).

As linhas grossas em azul foi um esboço dos coletores que fiz com a ajuda do software Fireworks, bem como as cota dos nós, obtidas em outra página com a ajuda do Google.

Conclusão: se eu quiser calcular a rede de esgotos de Paquetá, basta acionar o plugin QEsg, fazer as configurações necessárias e as demais etapas mostrada no Roteiro cujo link postei anteriormente.

Viu como é fácil ?

© 2019   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço