Rede Agronomia

Rede dos Engenheiros Agrônomos do Brasil

Uma das reclamações mais comuns que muitos Engenheiros Agrônomos fazem é que eles não se sentem valorizados.

Nesta rede que reúne, próximo de 8.000 profissionais e estudantes de Ciências Agronômicas vemos que a participação é sempre muito pequena, os debatedores das postagens em geral são sempre os mesmos.

Vamos discutir o dia a dia de nossa profissão, que é uma das mais fundamentais para o sustento da vida e da saúde no país e no planeta.

Precisamos discutir, trocar idéias de como nós profissionais de Ciências Agronômicas, Engenheiros Agrônomos podemos colocar nossa profissão no patamar que ela merece... Recebendo o reconhecimento que ela merece... Não somente do produtor rural... Mas de toda a sociedade brasileira!!!!

Vamos participar e trocar idéias...

E para encerrar, convido principalmente os mais jovens e os estudantes a dar ideias... Pois vcs são a geração criada em um novo mundo de informação!!!!

Exibições: 628

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Agronomia para adicionar comentários!

Entrar em Rede Agronomia

Comentário de Paulo Ramon em 5 fevereiro 2018 às 7:24

As associações estaduais da profissão poderiam fazer mais ações por ano em praças e parques públicos, locais de grande circulação de pessoas explicando o que fazemos e a importância e os benefícios do nosso trabalho para a população urbana que ainda desconhece o que fazemos ou tem uma visão destorcida da nossa realidade. 

Comentário de Paulo Ramon em 5 fevereiro 2018 às 7:17

Começando pela contratação de mais Eng. Agrônomos para trabalhar no Ministério da Agricultura. O quadro está reduzido e há um grande déficit de pessoal.

Por que a gente não briga para ter mais concurso público para a nossa profissão? 

Há falta de pessoal nas secretarias estaduais e municipais de agricultura. Não podemos admitir a terceirização das nossas atividades que devem ser desempenhadas por concursados. 

Comentário de Paulo Ramon em 5 fevereiro 2018 às 7:11

E o que nós agrônomos estamos fazendo com os consumidores que vivem nas cidades? Será que a gente sabe vender a nossa imagem perante o consumidor que mora nas cidades? Ou será que eles pensam que a gente só atua em locais do interior, fazendas, no campo...

Chegou a hora de mostrar que nós também podemos atuar nas cidades nos espaços públicos, nas secretarias estaduais e municipais de agricultura e de maio ambiente . Cadê os concursos públicos para nossa profissão?

 

Comentário de Paulo Ramon em 5 fevereiro 2018 às 7:05

Precisamos passar a vender todos os nossos serviços por meio de tabelas de renumeração a exemplo do que acontece com os advogados e a OAB e denunciar o colega que fizer o serviço abaixo do valor de mercado ou dão consultorias de graça.

Comentário de Manoel José Sant´Anna em 5 fevereiro 2018 às 7:01

Bom dia colegas, houve uma proposta para reunirmos pessoalmente em locais possíveis e fáceis de locomoção e custos ??!!! Regiões mais próximas de cada profissional, poderia ser até em acordo com uma das Universidades!.  (Lembrando que seja no Brasil!.) Dai podermos através do contato direto, discutirmos ações com maior intensidade!

abraços ... Manoel

Comentário de Manoel José Sant´Anna em 3 fevereiro 2018 às 9:06

Bom dia colegas!. Estou parcialmente de acordo contigo Medeiros!. O que cita acontece!. Mas não é de forma indiscriminada!. Na verdade o que ocorre, quanto a sua questão!. É que os concursados públicos, seja ele de qualquer autarquia, tem o receio de receber punições pelo seu exercício!. Isto esta mais que claro, quando se assiste as notícias pela mídia!. As forças políticas de interesse pessoal, predomina sobre o coletivo!. E ninguém que tanto esforçou para um cargo público quer perder ou ser remanejado, até juízes são aposentados,("mas com salário garantido né")!. Mas não Eng. Agrônomos!. Nem Fiscais Capacitados em procedimento incômodo!. Esta força nefasta do poder é que nos revolta!. Mas como disse antes, ninguém se elege pelo salário!!???. 

Comentário de ERIVALDO VIRGOLINO DE MEDEIROS em 1 fevereiro 2018 às 19:46

Boa noite;

O que acontece, na prática, é que leigos podem fazer as vezes de engº Agrônomo. escrituráprio de banco pode elaborar projetos agropecuários, cartórios podem confeccionar partilhas e plantas topográfias, leigos podem fazer Cadastro ambiental rural, comercios podem vendedor agrotoxicos sem receituário, etc, etc. Cadê os órgão fiscalizadores da profissão???

Comentário de Manoel José Sant´Anna em 1 fevereiro 2018 às 16:03

Continuando:- Dai seria a oportunidade em formatar uma agenda de processos a serem realizados dentro de um período, ligados e responsabilizados pelos colegas participantes!. Com promessas documentadas e bem alicerçadas para serem cumpridas!. Os temas poderiam ser os mais diversos, e estudados com antecipação pelos organizadores!.

Comentário de Manoel José Sant´Anna em 1 fevereiro 2018 às 15:58

Boa tarde colegas!. Estamos sempre batendo na mesma tecla!. Como nos diz o colega Francisco Dias!. Fala-se aqui!. Fala-se dali!. Mas estou entendendo que precisamos de ação!. Mas como também fala o colega Justino Dias, o inicio de uma organização, nunca creio poça ser feito por uma "única andorinha"! As Associações estão em S.P. vinculadas ao CREA, pois elas recebem ajuda de custo, e o interesse é da classe mais numerosas, os Eng. Civil! Dai nós Eng. Agr. nos afastamos!. Mas somos cobrados, e pagamos!. Da forma direta ou indireta!. Já utilizamos os colegas vinculados a Empresas de Insumos, de Cooperativas, de Revendas, e outros... até alguns produtores participaram em comemorações do Dia do Engenheiro Agrônomo, nas Associações. Era uma forma de reunir um enorme volume de colegas na Região de São José do Rio Preto. 

Comentário de Mario Sergio Alves de Godoy em 31 janeiro 2018 às 9:00

Textinho para endeusar produtor e santificar veneno tem, mas e para valorizar a profissão de Engenheiro Agrônomo? VALORIZE-SE! (por )

 

© 2021   Criado por Gilberto Fugimoto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço