Grupo destinado à discussão sobre a importância dos Gramados Esportivos e do Eng Agrônomo, como profissional responsável pelos projetos, execução e manutenção dos mesmos (Campos de Golf, Campos de Futebol, Pólo, Bowls, tenis, etc)
199 Members

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Rede Agronomia.

Os comentários estão fechados.

Comentários

  • Boa tarde pessoal, meu nome é Emanuel sou formado em Agronomia pela UFRRJ, tenho muito interesse em atuar com gramados esportivos, sei que não tenho experiência na área por ser recém formado e com a crise atual não devem estar contratando, mas mesmo assim estou buscando uma oportunidade de me inserir no mercado, pois sei que sou capaz de atuar na área e fazer um excelente  trabalho, então quem puder me ajudar com algum contato para envio de currículo ou uma dica fico muito agradecido, pois realmente tenho muito interesse de atuar na área. Obrigado pela atenção.

  • GRAMADOS SINTÉTICOS

    Ecológiocos, mais baratos, menos manutenção???

  • Uma experiência de sucesso em articulação de redes a partir do curso de Gramados Esportivos

    https://agronomos.ning.com/profiles/blogs/curso-de-gramados-1

  • Boa noite!

    Por favor, saberiam dizer se há alguma programação de curso e/ou palestra sobre gramados esportivos?

    Desde já agradeço!

  •  Existe a possibilidade de estudantes entrarem como estágiarios em alguma empresa em Curitiba? 

  • www.fiib.com.br
    Feira Internacional da Irrigação Brasil 2017
    1 a 3 de agosto - Campinas, SP
  • PROJETOS DE IRRIGAÇÃO COM BLOCOS INTELIGENTES

    Apresentação do problema

    Em geral, os projetos de irrigação são concebidos com o desenho, em planta, da locação dos equipamentos hidráulicos (tubulações e raio de ação dos aspersores), se o método escolhido for esse. O AutoCAD é a ferramenta de desenho preferida, tanto por sua facilidade de uso como por apresentar precisão em milímetros.

    Por outro lado, os desenhos das linhas que representam os ramais e dos círculos que indicam o raio de ação dos aspersores, por serem repetitivos são, no mínimo, cansativos e demorados. Assim, p.ex., a área de apenas 1 hectare cujos aspersores tenham um raio de atuação de 12 m, contam com nada menos que: [(84m÷12)+1] x [108m÷12)+1] = 8 ramais x 10 linhas = 80 círculos ou arpersores (vide Figura).

    Como surgiu a ideia

    Assistindo a um vídeo da Arquiteta Roberta Vendramini, do seu Curso Básico de AutoCAD gratuito, chamou-me a atenção um trecho em que, no desenho em corte das telhas de uma mansão, ela inseria o desenho de uma única telha no madeirame do beiral do telhado (cujo desenho da telha estava armazenado em um diretório), clicava numa setinha azul da sua extremidade direita, e a arrastava até a cumeeira, completando a cobertura com telhas num décimo de segundo.

    Então, por associação de ideia, eu pensei: que bom seria se, em vez da telha, fossem os ramais e os círculos dos meus aspersores. Foi o que fiz. Me interessei pelo tema, e aí aprendi que aquela não era uma simples telha, mas o chamado Bloco Inteligente ou Bloco Dinâmico.

    O que são Blocos Inteligentes

    No AutoCAD, blocos dinâmicos são desenhos comuns transformados em blocos (com um simples comando), programados para carregarem consigo determinados parâmetros e ações. No caso do "aspersor inteligente" que eu criei, o parâmetro que me interessava era o raio, e as ações, a sua reprodução no desenho, com a modificação prévia do valor do raio. Em termos técnicos: Parametros (Distance) e Ações (Array e Scale). Na Figura, este aspersor 'semente' é guardado numa paleta, na aba Blocos (criada por mim), e arrastada sempre que preciso para se fixar no início de um ramal formado por uma linha prévia. Como os raios variam, e a posição do ramal também, nas Propriedades do bloco, eu mudo a distância e indico, em graus, a direção do ramal. Agora, é só clicar na sua setinha (como a Arquiteta fez com a telha) e arrastá-la para baixo, até o final do ramal.

    Como foi feito o bloco

    A Figura ilustra as etapas do processo. Comecei com o desenho de um trecho de tubo alimentador (linha vertical), do qual saía um ramal (linha horizontal, do tamanho do raio), de cuja extremidade desenhei um círculo. Transformei-o em bloco com o comando Insert. O parâmetro Linear serviu para traçar o raio e as ações são os ícones identificados com um pequeno raio de trovão. O resultado é o desenho maior, com os 80 aspersores desenhados com apenas 8 (dos ramais) movimentos verticais do mouse.

    1490404404?profile=original

  • SELEÇÃO DOS DIÂMETROS DOS TUBOS PARA IRRIGAÇÃO

    Na irrigação de campos esportivos e jardins residenciais, é comum o uso de tubos de PVC. O critério técnico adotado para a seleção dos mesmo é a velocidade média do fluxo, que não deve ser inferior a 0,30 m/s (para evitar depósito de materiais sólidos) e nem superior a 1,50 m/s (para evitar ruídos, vibrações, desgaste e perdas de carga ou de pressão).

    Alguns manuais de hidráulica referem-se ao limite máximo de velocidade nos tubos como sendo de 2,5 m/s. Acontece que nas perdas de carga lineares (aquelas que ocorrem ao longo da tubulação), a velocidade média é elevada ao expoente 1,75 como na fórmula de Flammant (indicada para tubos de PVC); já nas perdas de carga localizadas (nas juntas, conexões, mudanças de diâmetro e outros acidentes hidráulicos), a velocidade média é elevada a 2,00 (K = V²/2g). Assim, quando a velocidade média do fluxo passa de 1 m/s, já começa a fazer a diferença no cálculo da perda de carga.

    No dimensionamento hidráulico da motobomba, a parcela mais pesada é a pressão de serviço do aspersor que, em campo de futebol, pode ultrapassar os 40 m. Devemos somar a esse valor as perdas de carga na válvula solenoide, no registro geral e nas tubulações. Esse resultado (da soma) é mais crítico na irrigação de jardins de residências pois, na maioria das vezes, conta-se com a pressão da rede pública que, muitas vezes, é precária.

    A Figura abaixo mostra uma Tabela que eu fiz para a faixa de vazão de 0,1 l/s a 204,8 l/s, indicando os limites mínimos recomendados em azul, e os limites máximos em vermelho. Na da direita, a vazão máxima (agora em litros por segundo) para a velocidade (também máxima) de 1,5 m/s. Sua finalidade é servir de um guia rápido para a escolha do diâmetro. É claro que no seu projeto, os números serão outros, normalmente indicados nas tabelas dos fabricantes.

    1490406481?profile=RESIZE_1024x1024

  • UMA CORREÇÃO

    Uma semana atrás publiquei este texto comparando a irrigação por aspersão convencional (AC) e a de um gramado esportivo (GE). Aguardei a opinião do colega que é papa no assunto (Artur Melo, o responsável por este Grupo) e, como ele não se manifestou, resolvi provocá-lo fazendo a pergunta diretamente no seu endereço eletrônico. Ele me respondeu que assinaria embaixo, se eu substituísse o termo gramado esportivo por campo de futebol (soccer, em inglês). Concordo em gênero, número e grau. Desculpem a falha. 

This reply was deleted.

Sombreamento no Gramado

Achei interessante essa notícia em um site de notícias português sobre o estádio de Alvalade. O Arthur tinha já comentado sobre esse problema no Alvalade do sombreamento no lado sul, no curso de Gramdos, mas parece que os fungos também estão sendo um grave problema.   A notícia: O presidente do Sporting, José Eduardo Bettencourt, confirmou neste domingo que pode instalar grama sintética no José Alvalade. Inaugurado em 2003, um ano antes da Eurocopa disputada em Portugal, o estádio já teve seu…

Saiba mais…
2 respostas