incêndio (2)

COMBATE A INCÊNDIO COM SPRINKLER

10637622684?profile=original

Brasil é o 3º país com o maior número de mortes por incêndio (Newsletter nº 5). A constatação se baseia no cruzamento de dados do Sistema Único de Saúde (SUS) com uma pesquisa realizada pela Geneva Association. (1)

O Incêndio é uma ocorrência de fogo não controlado, que pode ser extremamente perigosa para os seres vivos e as estruturas. O fogo tem sido responsável pela ocorrência de grandes catástrofes ao longo da história. A exposição a um incêndio pode produzir a morte, geralmente pela inalação dos gases, ou pelo desmaio causado por eles, ou posteriormente pelas queimaduras graves. (2)

Carrasco (1999) afirma que para ocorrer um incêndio devem concorrer de forma simultânea, a presença de um combustível, um comburente, uma fonte de calor e uma reação em cadeia não controlada. Eliminando-se um desses 4 elementos, terminará a combustão e, consequentemente, o foco de incêndio.

10637622697?profile=original

É importante lembrar também, que para haver combustão é necessário que se tenha no ambiente porcentagens adequadas de Oxigênio. Caso essa porcentagem seja inferior a 16% (dezesseis por cento) podemos afirmar que não haverá combustão, uma vez que a mistura combustível-comburente estará muito pobre.

Segundo a NFPA (National Fire Protection Association) cerca de 21% dos incêndios são provocados pela eletricidade (sobrecarga), inclusive a estática e até uma ponta de cigarro acesa poderá causar incêndio de graves proporções.  

Classificação dos incêndios

Os incêndios, de acordo com a sua localização, são classificados em 5 grupos:

  • em veículos - sejam automóveis, caminhões, ônibus, como em tratores e outras máquinas agrícolas;
  • residenciais - domicílio, agrovila, zona comercial;
  • industriais - silos, armazéns, abatedouros e indústrias rurais;
  • agrícolas - pastos (renovação), canavial (colheita), preparo do terreno; e
  • florestais - nas florestas nativas e cultivadas. (3)

10637623252?profile=original

Combate a incêndios em edificações

Desde sua invenção, os sprinklers (chuveiros automáticos) tem demonstrado ser o melhor e mais eficiente equipamento disponível no combate a incêndios. Contudo é prudente lembrar que um sistema de sprinklers tem como função o combate das chamas em sua fase incipiente, visando a extinção ou retardo que permita o combate por parte da unidade de bombeiros.

Segundo Bryan (1976), o primeiro sistema de chuveiros automáticos foi criado na Inglaterra, em 1806, por John Carey.

10637623064?profile=original

Rede de sprinklers

Sprinkler é um dispositivo automático de combate a incêndio e possui os seguintes elementos e posições de instalação:

10637623081?profile=original

O princípio de operação desse sistema consiste em confinar o fogo na área de aplicação controlando ou extinguindo o foco do incêndio em seu estágio inicial, por meio de descarga automática de água.

A sua eficácia é reconhecida em função do menor tempo decorrido entre a detecção e o combate ao incêndio, pois essa característica pode evitar a propagação do incêndio para o restante da edificação. Outra característica importante desse sistema é o acionamento do alarme simultaneamente com o início de operação, o que propicia a fuga dos usuários com segurança.

Os sprinklers ou chuveiros automáticos são instalados em redes hidráulicas como a mostrada na Figura abaixo, mas contam com inúmeras variações. A alimentação, por sua vez, pode ser através de reservatório, hidrante ou outra fonte segura de água.

10637623299?profile=original

O desenvolvimento de um sistema fixo de combate a incêndios com o acionamento automático se torna importante à medida que as edificações passaram a ter grande parte de sua composição construtiva feita em material combustível. O fogo sempre começa pequeno, com exceção das grandes explosões, por isso é importante que ele seja combatido de forma eficiente, para que sejam minimizadas suas consequências.

O sistema de chuveiros automáticos (sprinklers) é um sistema fixo de combate a incêndio e caracteriza-se por entrar em operação automaticamente, quando ativado por um foco de  incêndio, liberando água em uma densidade adequada ao risco do local que visa proteger e de forma rápida para extingui-lo ou controlá-lo em seu estágio inicial.

Segundo pesquisa realizada ao longo da década de 80 nos Estados Unidos, Solomon (1989) apresentou os seguintes resultados: ˗ 28 % dos incêndios foram extintos ou controlados por 1 (um) sprinkler; ˗ 46 % dos incêndios foram extintos ou controlados por 2 (dois) sprinklers; ˗ 89 % dos incêndios foram extintos ou controlados por até 15 (quinze) sprinklers. Os números atuais são bem superiores, segundo a NFPA (National Fire Protection Association), como mostra a Figura abaixo.

10637623466?profile=original

Componentes do sistema

Os sprinklers instalados nas canalizações dispõem de elementos sensíveis que, ao detectarem um incêndio, fazem com que a água seja descarregada imediatamente (Figura abaixo). Apenas serão acionados os sprinklers afetos à área pela ação do incêndio.

A Figura abaixo mostra o esquema de uma rede convencional de sprinklers e seus componentes principais.

10637623483?profile=original

Normas sobre incêndios de edificações

Grande parte das normas utilizadas no Brasil e no mundo, para prevenção de incêndios no tocante a equipamentos, sistemas e treinamentos, são originárias da N.F.P.A. - National Fire Protection Association dos EUA, organismo norte americano de estudos e normatização de assuntos relacionados a incêndios e a prevenção destes

O Brasil não dispõe ainda de uma Norma nacional; enquanto esse Código não está disponibilizado, temos que utilizar as ferramentas disponíveis, que são as normas técnicas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e as Instruções Técnicas dos Corpos de Bombeiros das unidades da federação que as possuem.

Uma das Normas Brasileira sobre o assunto é a  NBR 10897 da ABNT; outras, são listadas a seguir:

Dentre as principais normas relacionadas a procedimentos para projeto e construção das edificações relacionadas a incêndio, podemos listar: ˗ NBR 10897 - Proteção contra Incêndio por Chuveiro Automático; ˗ NBR 10898 - Sistemas de Iluminação de Emergência; ˗ NBR 11742 - Porta Corta-fogo para Saída de Emergência; ˗ NBR 12615 - Sistema de Combate a Incêndio por Espuma. ˗ NBR 12692 - Inspeção, Manutenção e Recarga em Extintores de Incêndio; ˗ NBR 12693 - Sistemas de Proteção por Extintores de Incêndio; 31 ˗ NBR 13434 - Sinalização de Segurança contra Incêndio e Pânico - Formas, Dimensões e cores; ˗ NBR 13435 - Sinalização de Segurança contra Incêndio e Pânico; ˗ NBR 13437 - Símbolos Gráficos para Sinalização contra Incêndio e Pânico; ˗ NBR 13523 - Instalações Prediais de Gás Liquefeito de Petróleo; ˗ NBR 13714 - Instalação Hidráulica Contra Incêndio, sob comando. ˗ NBR 13714 - Instalações Hidráulicas contra Incêndio, sob comando, por Hidrantes e ˗ Mangotinhos; ˗ - NBR 13932 - Instalações Internas de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) - Projeto e Execução; ˗ NBR 14039 - Instalações Elétricas de Alta Tensão ˗ NBR 14276 - Programa de brigada de incêndio; ˗ NBR 14349 - União para mangueira de incêndio - Requisitos e métodos de ensaio ˗ NBR 5410 - Sistema Elétrico. ˗ NBR 5419 - Proteção Contra Descargas Elétricas Atmosféricas; ˗ NBR 5419 - Sistema de Proteção Contra Descangas Atmosférias (Páraraios.) ˗ NBR 9077 - Saídas de Emergência em Edificações; ˗ NBR 9441 - Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio; ˗ NR 23, da Portaria 3214 do Ministério do Trabalho: Proteção Contra Incêndio para Locais de Trabalho.

10637623667?profile=original

REF.:

[1] INSTITUTO SPRINKLER BRASIL

https://sprinklerbrasil.org.br/imprensa/brasil-e-o-3o-pais-com-o-maior-numero-de-mortes-por-incendio-newsletter-no-5/

[2] SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS POR CHUVEIROS AUTOMÁTICOS DE ÁGUAS - ESTUDO DA TECNOLOGIA E APLICAÇÃO, Luiz F. C. Damasceno, UFRJ, 2014.

https://pantheon.ufrj.br/bitstream/11422/11907/1/monopoli10009279.pdf

[3] RISCOS DE ACIDENTES NA ZONA RURAL, José Luiz Viana do Couto, UFRRJ

http://www.ufrrj.br/institutos/it/de/acidentes/fogo.htm

Saiba mais…

INCÊNDIOS FLORESTAIS

10637510862?profile=original

Mesmo sabendo da vastidão do tema e não sendo experto no assunto, vou levantar o problema, pela sua importância e para convidar os colegas entendidos a porem mais lenha nessa fogueira, para o estado da arte em sua prevenção.

Já falei alguma coisa na minha página sobre Riscos de Acidentes na Zona Rural, no endereço http://www.ufrrj.br/institutos/it/de/acidentes/fogo.htm

Mas o Google está repleto de informações à respeito. O assunto é pertinente, pois haverá em Dezembro próximo a Conferência Internacional do Clima, em Paris, e o Brasil, como sabemos (com o seu 'arco do fogo' em volta da Amazônia) é um grande vilão do meio ambiente por causa das queimadas.

Saiba mais…